Criada tecnologia que usa frenagem de trens para limpar o ar


Startup cria vagão de trem que elimina CO2 do ar nas freadas

Imagem: CO2 Rail Company/Divulgação

Uma startup americana está desenvolvendo uma tecnologia para capturar o dióxido de carbono (CO2) da atmosfera usando vagões especiais, acoplados a trens comuns. O sistema foi pensado para funcionar em qualquer ferrovia no mundo, e funciona utilizando a energia gerada durante a frenagem das locomotivas.

Na prática, coletar e remover dióxido de carbono do ar é um processo relativamente simples, sendo possível concentrar e armazenar o CO2 na forma líquida. O problema é que o processo depende de uma grande quantidade de energia para funcionar.

Para resolver esse problema, a CO2 Rail Company teve a ideia de utilizar a energia gerada por um sistema de frenagem regenerativa para conseguir limpar o ar. Durante a manobra de frenagem e desaceleração, a energia cinética de uma locomotiva gera calor até o momento da parada. Atualmente, esse calor é simplesmente desperdiçado, com um grande ventilador soprando o ar quente para fora, pelo topo da locomotiva.

De acordo com Eric Bachman, pesquisador da CO2 Rail Company e que assinou um artigo recém-publicado na revista científica Joule, cada manobra completa de frenagem de um trem gera energia suficiente para abastecer 20 casas médias por um dia inteiro. “Portanto não é uma quantidade trivial de energia”, disse Bachman.

Limpando CO2 do ar com trens

Além da energia gerada pelo sistema de frenagem de trens, o vagão especial criado pela startup também utiliza painéis solares para alimentar as baterias do sistema de filtragem do ar, eliminando assim a necessidade de qualquer outra fonte externa de energia.

Esses vagões – batizados de CO2Rail – possuem grandes entradas de ar que aproveitam a corrente de ar gerada pelo movimento dos trens. Isso significa que o sistema não precisa utilizar ventiladores para sugar o ar, eliminando assim um consumo extra de energia.

Ao entrar no vagão, o ar é canalizado até uma grande câmara cilíndrica onde ocorre a reação química para separar o CO2 do ar. Em seguida, o ar limpo viaja para fora do vagão e retorna a atmosfera. Já o dióxido de carbono é armazenado na forma de um líquido, podendo ser descarregado durante as paradas dos trens e, posteriormente, ser utilizado como matéria-prima (como combustível) ou levado para aterros geológicos.

Segundo o estudo, essa tecnologia permite que um único vagão tenha capacidade para remover 3 mil toneladas de dióxido de carbono do ar a cada ano. Ao utilizar o sistema em grande escala, seria possível tornar os trens em transportes do tipo carbono neutro, além de reduzir as emissões de CO2 na atmosfera e, por consequência, diminuir os riscos das mudanças climáticas.

Em entrevista para o The Daily Beast, Bachman afirma que espera testar os primeiros vagões CO2Rail real no prazo de um ano. A expectativa é que o sistema possa ser usado em trens de carga ou de passageiros.

 

Fonte: Gizmodo