cientistas fazem foto que pode desvendar mistério


O ESO (Observatório Europeu do Sul) divulgou a primeira imagem direta do buraco negro supermassivo M87* expelindo um poderoso jato de matéria. O objeto está localizado no centro da galáxia Messier 87, distante 55 milhões de anos-luz da Terra.

Anteriormente, há quatro anos, o mesmo astro ficou famoso por ser o primeiro da história a ser fotografado diretamente por cientistas. Há alguns dias, uma equipe comandada pela astrônoma brasileira Lia Medeiros apresentou uma nova e mais detalhada versão desta foto histórica.

Apesar de os buracos negros serem conhecidos por engolir a matéria que, porventura, passe em sua vizinhança, esses objetos também podem expelir matéria na forma de gigantescos jatos. Entretanto, esse mecanismo ainda é um mistério para os astrônomos.

Segundo o ESO, a nova imagem mostra como a base de um jato se conecta com a matéria que gira em torno de um buraco negro supermassivo. Isso permite aos pesquisadores entender como isso realmente acontece na prática.

Dessa forma, a nova imagem mostra o jato de matéria emergindo perto de M87*. Conforme a matéria orbita o buraco negro, ela é aquecida e emite luz. Por outro lado, o buraco negro curva e captura parte dessa luz. E cria uma estrutura semelhante a um anel ao redor do objeto, como visto na foto. A escuridão no centro do anel é a sombra do buraco negro. Veja abaixo:

Imagem mostra o jato e a sombra do buraco negro no centro da galáxia M87 juntos pela primeira vez.
Imagem mostra o jato e a sombra do buraco negro no centro da galáxia M87 juntos pela primeira vez. Imagem: R.-S. Lu (SHAO), E. Ros (MPIfR), S. Dagnello (NRAO/AUI/NSF)

Foto de buraco negro e seu jato é inédita

A organização ressalta que está e a primeira vez que astrônomos observaram, na mesma imagem, a sombra de M87* e o poderoso jato expelido por ele. Até então, só foi possível obter imagens separadas da região próxima ao buraco negro e ao jato.

Para fazer a foto, foi necessário realizar observações conjuntas entre os radiotelescópios GMVA (Global Millimeter VLBI Array), ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) e GLT (Greenland Telescope). Eles estão localizados na França, Chile e Groenlândia, respectivamente.

Por fim, os astrônomos pretendem fazer novas observação da galáxia, para desvendar o mistério desses jatos.

“Planejamos observar a região ao redor do buraco negro no centro de M87 em diferentes comprimentos de onda de rádio para estudar mais a fundo a emissão do jato. Os próximos anos serão emocionantes, pois poderemos aprender mais sobre o que acontece perto de uma das regiões mais misteriosas do Universo”, disse Eduardo Ros, do Instituto Max Planck de Radioastronomia, na Alemanha, em comunicado.

Fonte: Gizmodo