Cientistas buscam desvendar o sexo dos dinossauros

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Freud já dizia: “o que norteia a vida dos seres humanos é o prazer”. Seríamos repetidores de um mesmo comportamento originário a milhões de anos atrás? Afinal, pesquisadores estão chegando a uma conclusão um tanto instigante: os dinossauros só conseguiram sobreviver por muitos anos graças ao sexo! E ele era feito em cima das árvores, embaixo da água, no ar, sob furacões e dentro de cavernas.

Sempre com a premissa que vigora até hoje: a busca incessante pelo prazer sob a ótica do estímulo carnal evidenciado pela própria natureza. Procriação? Uma consequência. Mas, na verdade, detalhes sórdidos estão sendo desvendados pela ciência. Quer saber quais são? Então continue lendo!

publicidade

Imagem: Mark König

Nada de papo de bar

As conclusões fazem parte de estudos conduzidos na Universidade de Bristol, no Reino Unido, sob a responsabilidade da equipe do Dr. Jakob Vinther  

Os cientistas foram atrás de evidências que ficaram marcadas na pele e ossos dos dinossauros, tendo em vista que até o momento havia uma incógnita sobre exatamente como eles se acasalavam.  

Afinal, em pleno século 21 ainda existe um vácuo entre os pesquisadores sobre como identificar os machos das fêmeas. Portanto, muitos menos sobre como eles se cortejavam ou que tipo de genitais eles tinham. 

E como estão avançando nessa busca? Por meio de imagens de tartarugas que estavam com tesão no momento em que morreram. Elas mantêm posições similares, sempre uma de costa para outra, situação bem similar às identificadas nas ossadas dos dinossauros. E sabe o mais intrigante? Apesar de estarem afastados, sempre permaneceram com os órgãos genitais colados ou presos uns aos outros.  

Diante dessas evidências, Vinther percebeu que o sexo pré-histórico foi preponderante para manutenção das espécies e também para manter um ‘determinado senso de comunidade’. 

“Pelas imagens das ossadas, muitos foram pegos de surpresa. Isso porque suas caudas se sobrepõem. Eu acredito que eles foram pegos em flagrante”, afirmou o pesquisador. Sem outros exemplos, Vinther reconhece que a teoria é altamente especulativa, e ainda é apenas uma ideia inédita.  

Leia mais:

No fundo da lagoa azul 

No entanto, há outra fonte menos ambígua de fatos sexuais de dinossauros – um fóssil que cativou a atenção do mundo com seu traseiro. Este é o psitacossauro.

Ninguém sabe quais posições sexuais os maiores dinossauros usavam. Mas uma realidade se fez presente: muitos foram esmagados. 

E o psitacossauro pode ser comparado a um cão da raça Labrador: ele tinha 91 cm de comprimento da cabeça à cauda, bem encorpado, que certamente atraía várias fêmeas, sempre com amor dentro da água.  

Psitacossauros podem ter usado seus traseiros para atrair seus parceiros para acasalar. Imagem: Zaria Gorvett

Melanina evidente

Outra constatação que está bem próxima de ser comprovada pela pesquisa é que os répteis trazem em suas genitálias uma grande quantidade de melanina. 

Ela traz uma coloração mais escura em uma gama caleidoscópica de usos no mundo natural , desde sua aplicação como pigmento em tinta de lula até sua função como camada protetora nas costas de nossos olhos. Seria uma naja? 

“Por exemplo, os insetos… eles usam a melanina como uma espécie de sistema imunológico para proteger contra infecções . Então, se você fizer um buraco em uma mariposa, por exemplo, com uma agulha [isso não é recomendado], então a área ao redor de onde você cutucar o buraco vai secretar melanina”, diz Vinther.

Por esse motivo , muitos animais, incluindo humanos, têm maiores concentrações de melanina – e, portanto, pele mais escura – ao redor dos genitais. 

É verdade

E isso é tão verdadeiro para os dinossauros quanto para os humanos. Mas há outras descobertas intrigantes: Vinther está explicando com entusiasmo as muitas outras características do traseiro do psitacossauro com um nível de detalhes impressionante.

“Agora podemos reconstruir a morfologia da cloaca e podemos mostrar que ela tinha dois tipos de lábios que se alargavam assim”, diz Vinther, fazendo uma forma de V com os dedos. Seria o prenúncio do símbolo que ficou mundialmente conhecido como Rock n’ Roll?

 “E do lado de fora, havia pigmentos. Mas aqui está o interessante, porque não é em torno da abertura, [como logicamente seria] se fosse para infecção microbiana. Então eles estavam colocando pigmento lá para anunciar”, destacou.

Se isso for verdade, seria sem precedentes – anunciar seu traseiro para parceiros em potencial, como fazem os babuínos, é extremamente incomum em pássaros modernos, os descendentes dos dinossauros aviários. 

“Eles usam muita sinalização visual”, diz Vinther, explicando que eles têm excelente visão de cores – ao contrário da maioria dos mamíferos que só podem ver duas cores, os pássaros podem ver os três humanos, assim como a luz ultravioleta . “Mas é inútil mostrar sua cloaca porque está coberta de penas.” Da mesma forma, os crocodilos dependem mais do cheiro.

Espectro de cores

Vinther especula que, assim como os pássaros, os dinossauros também podem ter uma excelente visão de cores. Nesse caso, faz sentido que aqueles que não tinham penas tenham aproveitado a oportunidade – “por que não anunciar sua cloaca?”, questionou o pesquisador  

Infelizmente, não é possível dizer se o psitacossauro em questão é macho ou fêmea, ou exatamente que tipos de órgãos sexuais eles possuíam, porque suas respectivas partes do corpo estão escondidas.

 Isso deixa os dinossauros com duas estratégias de acasalamento possíveis – o (estremecimento) chamado “beijo cloacal”, no qual dois dinossauros teriam alinhado suas cloacas, com o macho ejetando seu sêmen diretamente na fêmea – uma estratégia comum entre as aves – ou a versão mais familiar, onde há um pênis envolvido (como os crocodilos fazem isso).

Sem mais evidências e com zero outras cloacas de dinossauros fossilizadas para continuar, o júri ainda está analisando a situação.

Mas isso é provavelmente o bastante sobre a genitália dos dinossauros. E quanto aos outros aspectos de sua reprodução – eles tinham rituais de acasalamento, talvez brigas ou até danças elaboradas? Os machos e as fêmeas pareciam diferentes? E como podemos dizer quais características foram para impressionar o sexo oposto? 

Imagem mostra Big John, o maior fóssil de triceratops da história
Imagem: Giquello/Divulgação

Uma vela sexy

À primeira vista, pode parecer que decodificar os comportamentos de acasalamento de animais extintos há muito tempo é quase tão impossível quanto procurar por seus traseiros – mas Rob Knell, ecologista evolucionário da Queen Mary, Universidade de Londres, me garante que existem algumas pistas escondidas no registro fóssil.

“Então, uma das coisas sobre os dinossauros é que há muitas coisas estranhas – o que algumas pessoas chamam de ‘estruturas bizarras’”, diz Knell. “É parte de sua atração carismática. Então, as placas no estegossauro, a grande vela no Spinosaurus, o babado e os chifres do triceratops e todos os outros ceratopsians… A grande crista que os hadrossauros tinham… essas são todas as coisas que são boas candidatas por serem traços sexualmente selecionados.”

Mas o sexo dos dinossauros ainda tem espaço para muitas pesquisas: o fóssil de nodossauro mais bem preservado do mundo ainda contém suas células originais produtoras de melanina. 

E os Triceratops? Há explicações que comprovam que a sua temperatura era regulada para fornecer mais músculos, com um objetivo bem nítido: “empunhe com mais força”! E outra: lesões nos crânios demonstram que foram reflexo de brigas com outros ancestrais em disputa sexual. 

Portanto, muito antes dos seres humanos, o sexo já causava amor, controvérsias e morte. Estaria correto Nélson Rodrigues? 

Via: BBC

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!



Source link