Bolsonaro diz que vai procurar WhatsApp para discutir acordo com o TSE

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Um dia após dizer que acordo entre o WhatsApp e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é “inadmissível, inaceitável, e não vai ser cumprido”, o presidente Jair Bolsonaro se pronunciou mais uma vez sobre o tema no sábado (17).

Em entrevista à CNN Brasil, Bolsonaro declarou que já pediu para o ministro das Comunicações, Fábio Faria, entrar em contato com representantes da plataforma no Brasil para questionar a decisão da rede social de deixar o lançamento de recurso de grupos no país apenas para depois das eleições presidenciais deste ano. “Se ele (WhatsApp) pode fazer um acordo com o TSE, pode fazer comigo também, por que não?”, disse.

publicidade

O presidente também voltou a criticar o fato da função não ser liberada apenas no Brasil. “Essa última informação agora que o WhatsApp pode ter uma política mundial, ninguém vai reclamar. Agora, (por que) apenas para o Brasil o disparo em grupo poderá ser realizado depois das eleições? Ah, depois das eleições não vai ter mais fake news?”, ironizou.

Presidente Jair Bolsonaro criticou acordo entre WhatsApp e o TSE. Imagem: Salty View/Shutterstock

Leia mais:

Recurso do WhatsApp vai ampliar alcance de mensagens

Na última semana, o WhatsApp e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) firmaram um acordo para que o lançamento da função “comunidades”, que reúne milhares de usuários em um sistema de grupos conectados, ocorra apenas após o segundo turno das eleições presidenciais marcadas para o segundo semestre deste ano.

As comunidades, por enquanto, seguem apenas em testes em alguns lugares do mundo. Segundo Mark Zuckerberg, CEO da Meta, dona do WhatsApp, as comunidades vão “facilitar a organização de todos os seus bate-papos em grupo e encontrar informações. Você poderá reunir grupos diferentes em uma comunidade — por exemplo, além de grupos individuais para turmas diferentes, você poderia ter uma comunidade geral para pais em uma escola com um canal central para anúncios e ter mais controle”.

Na sexta-feira (15), durante um passeio de moto com apoiadores, em São Paulo, Bolsonaro falou pela primeira vez sobre o tama. “E já adianto. Isso que o WhatsApp está fazendo no mundo todo, sem problema. Agora, abrir uma excepcionalidade para o Brasil, isso é inadmissível, inaceitável, e não vai ser cumprido, este acordo que por ventura eles realmente tenham feito com o Brasil, com informações que eu tenho até o presente momento”, disse.

A função é mais um formato de organização de grupos do que de grupos abertos, como no caso do Telegram, que ficou marcado pela propagação de fake news nesses ambientes. No entanto, como cada grupo pode ter até 256 pessoas e cada comunidade pode contar com 10 grupos, passar informações para um número maior de pessoas se torna mais fácil com o novo sistema, por isso, a empresa pensa em lançar o recurso no Brasil apenas depois das eleições. Por enquanto, também não há uma data certa em outras partes do mundo.

Em 2018, o WhatsApp foi considerado o principal meio de disseminação de fake news sobre a votação. Atualmente, o Telegram também é visto como potencialmente perigoso pelo TSE devido aos grupos abertos e o pouco controle da plataforma.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!





Source link