Visitação para a exposição ‘Resende 220 anos’ foi prorrogada até o dia 26 de novembro

0
9


Mostra conta a história de Resende desde o primeiro núcleo de ocupação colonial

A exposição, idealizada para comemorar os 220 anos de Resende – Foto: Divulgação PMR.

Resende- Para quem ainda não visitou o museu de Arte Moderna de Resende para ver a exposição “Resende 220 anos”, ainda tem tempo, pois o museu por meio da fundação Casa da Cultura Macedo Miranda, prorrogou a mostra até o dia 26 de novembro.

Os visitantes podem conhecer a história da cidade de terça a sexta-feira, sempre das 11h às 17h.

A exposição, idealizada para comemorar os 220 anos de Resende, data que aconteceu no último dia 29 de setembro, conta a história desde as sociedades originárias que povoaram a região, por volta do ano de 1730, passando por diversos marcos importantes para o desenvolvimento de Resende, como o surgimento e desenvolvimento da vila de Nossa Senhora da Conceição do Campo Alegre da Paraíba Nova.

Ao visitar o local, os visitantes poderão vivenciar a mostra em dois setores. O primeiro traça uma narrativa histórica sobre o Povo Puri, que ocupava a bacia do Rio Paraíba do Sul e a Serra da Mantiqueira, além de conhecer o processo de ocupação colonial ocorrido na primeira metade do século XVIII, a economia e sociedade do café, a resistência negra ao regime escravocrata, os núcleos de imigrantes locais, entre outros.

O segundo setor da exposição é destinado ao patrimônio cultural e natural da região, à cultura indígena e afro-brasileiras, ao calendário cultural e à imprensa de Resende.

Ao todo são 13 painéis e também cartografias do século XVIII e XIX, peças históricas como ‘gira-mundo’, instrumento de tortura do período escravocrata, o estandarte da irmandade de ‘São Benedito’ da Igreja do Rosário, representações artísticas do boi-bumbá, do índio Puri, e os bonecos N’Golos, que representam a cultura africana, entre outras peças – explica o diretor do Arquivo Histórico,  Ângelo Tramezzino.

O objetivo é que futuramente esse material fique exposto permanentemente no espaço destinado à história do município, que está sendo organizado no MAM – revela a diretora do Museu Carmem Aguiar.

Mais informações e agendamento pelo telefone (24) 3360-4470.





Fonte: Diário do Vale