Queda de avião em Ubatuba: Marinha encontra mochila que seria de um dos tripulantes | Rio de Janeiro

0
230


A Marinha do Brasil informou em nota, nesta segunda-feira (29), que durante as buscas pelo avião bimotor que caiu no mar de Ubatuba (SP), quase na divisa com o Rio de Janeiro, foi encontrada uma mochila que pode ser de um dos tripulantes da aeronave.

Segundo as informações, o objeto foi encontrado no sábado (27) pelo navio-patrulha “Guajará”. Dentro da mochila havia pertences que, supostamente, seriam de uma das vítimas.

A bolsa foi encontrada dentro da área que é vasculhada pela força-tarefa, a aproximadamente 45 quilômetros a sudoeste de Trindade (RJ).

Nesta segunda, o trabalho de buscas aos desaparecidos chegou ao quinto dia consecutivo. Mergulhadores, aeronaves e barcos foram utilizados na operação, percorrendo a região do acidente.

Mais cedo, o secretário de Estado de Defesa Civil e comandante-geral do Corpo de Bombeiros do RJ, coronel Leandro Monteiro, disse que a operação de busca por terra também ocorre durante a noite.

“Nossos recursos náuticos e aéreos estão distribuídos estrategicamente para cobertura em áreas de Paraty, Trindade e Ilha Grande.”

Equipes retomam buscas a desaparecidos em acidente aéreo nesta segunda-feira — Foto: Corpo de Bombeiros

O avião bimotor desapareceu por volta das 21h de quarta-feira (24), depois de deixar o aeroporto de Campinas, com destino a Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio.

O trabalho de buscas na região do acidente está sendo feito em conjunto entre os bombeiros, a Marinha e a Aeronáutica.

Até o momento, uma área de 2.500 quilômetros quadrados do litoral foi coberta pela busca aérea.

Corpo de piloto foi encontrado

Gustavo Carneiro, sul-mato-grossense que pilotava avião que caiu no mar de Paraty. — Foto: Rede sociais/Reprodução

O piloto, Gustavo Calçado Carneiro, de 27 anos, natural de Corumbá, no Mato Grosso, teve o corpo encontrado na tarde de quinta-feira e reconhecido pela família na manhã de sexta-feira (26).

O corpo de Gustavo foi cremado na tarde deste sábado (27), no Cemitério da Penitência, no Caju, na Zona Norte do Rio. Na quinta-feira, além do corpo do piloto, também foram encontrados destroços do avião em pelo menos dois pontos na região do acidente.

Após a confirmação da identidade de Gustavo, amigos e conhecidos postaram mensagens de luto em redes sociais.

Em comentários, amigos demonstraram surpresa e luto pela morte de Gustavo Carneiro. — Foto: Divulgação/RedesSociais

Outras duas pessoas estavam na aeronave:

  • um passageiro, identificado como Sérgio Alves Dias Filho, empresário dono de uma empresa de blindagem com sede em Jacarepaguá, no Rio, segundo informações do Bom Dia SP, que continua desaparecido;

Empresário Sérgio Dias está entre os dois desaparecidos na queda de aeronave entre Ubatuba e Paraty — Foto: Redes Sociais

José Porfírio de Brito Júnior é copiloto do avião que caiu em Ubatuba — Foto: Reprodução/Instagram

Avião desapareceu a caminho do Rio

Avião bimotor caiu no mar em Paraty na noite desta quarta-feira (24) — Foto: Reprodução / TV Globo

O voo com os três tripulantes saiu às 20h30 do Aeroporto dos Amarais, em Campinas, e pousaria no Aeroporto de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. A torre do Rio de Janeiro perdeu o contato com a aeronave às 21h40.

Em nota, o Centro de Coordenação de Salvamento Aeronáutico de Curitiba informou que foi notificado sobre o desaparecimento da aeronave de prefixo PP-WRS e que às 4h15 de quinta-feira um helicóptero iniciou as buscas na área delimitada.

Um vídeo obtido pela EPTV, afiliada da TV Globo, mostra o passageiro e o copiloto passando pelo saguão do Aeroporto Campo dos Amarais, em Campinas, em direção ao avião.

Vídeo mostra passageiro e co-piloto antes do embarque para voo que caiu em Ubatuba

Vídeo mostra passageiro e co-piloto antes do embarque para voo que caiu em Ubatuba

Bimotor estava em situação normal, diz Anac

A Agência Nacional de Aviação Civil informou que o avião estava em situação normal, com autorização para realizar voos noturnos, porém, não poderia fazer táxi aéreo.

De acordo com a família do copiloto e dono da aeronave, o voo não estava no contexto de atividade de táxi aéreo.

O bimotor foi fabricado em 1981, e o Certificado de Verificação de Aeronavegabilidade (CVA) venceria em 6 de agosto de 2022.

Aeronave não tinha autorização para fazer táxi aéreo — Foto: Reprodução

Família do copiloto pede ajuda nas redes sociais

A mãe, o pai, a namorada, os sogros e amigos do copiloto José Porfírio de Brito Júnior estão acompanhando as buscas de perto desde o primeiro dia.

Pelas redes sociais, Ana Regina Agostinho pede ajuda nas buscas ao filho. “Quem tiver embarcação na região de Paraty… Preciso de drones para sobrevoar as ilhas em volta. Meu filho tá vivo”.

Os familiares alugaram embarcações e estão percorrendo por conta própria a região do acidente e utilizando apitos.

“Estive no mar ontem o dia inteiro. Hoje também estou desde cedo procurando meu filho. Agradeço o apoio que estou recebendo de tanta gente neste momento, nas redes sociais, e peço, por favor, para que os órgãos competentes não desistam de encontrar meu filho”, disse Ana Regina, em entrevista ao g1.

Mãe de copiloto de avião diz ter informações desencontradas sobre acidente

Mãe de copiloto de avião diz ter informações desencontradas sobre acidente



Fonte: G1