Liderança jovem de Angra dos Reis conhece a Smac

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Thalia Oliveira, 25 anos, liderança jovem da Costa Verde, esteve na Secretaria de Estado de Ação Comunitária e Juventude a convite do Secretário Estadual de Ação Comunitária e Juventude, Gelby Justo.

***

Na ocasião, Thalia conheceu como funciona a Secretaria, que possui diversos Centros de Referência da Juventude (CRJs), onde é ofertado cursos livres de incentivo à cultura e esporte, além de cursos para geração de emprego e renda.

***

Thalía é acadêmica de Direito pela Universidade do Brasil (UFRJ), pesquisadora de Segurança Pública e Ações Sociais à Cidadania, Promotora Legal Popular e Professora de Ballet Clássico; faz diversas ações sociais.

***

Ela também oferece orientação para mulheres vítimas de violência e em situação de risco através da Promotoria Legal Popular, também gratuitamente.

 

Realizações

O Secretário Gelby Justo fez um balanço de sua atuação: “Nesses quase seis meses, desde que a Secretaria de Estado de Ação Comunitária e Juventude foi criada, implementamos dois projetos para ouvir os moradores das comunidades, o ‘Dá o Papo’ e a ‘Casa do Diálogo’, onde recebemos as demandas da população local e encaminhamos para os órgãos competentes. Além disso, estamos reformando sete Centros de Referência da Juventude (CRJs) que estavam abandonados. Desse total, 2 já foram reinaugurados com quase mil vagas de cursos diversos para a população e outro dois já estão prontos. Os equipamentos de Manguinhos e do Jacarezinho acabaram de completar um mês de reabertura e já estão com todas as vagas preenchidas. Em breve, vamos reinaugurar outras unidades e ainda implementaremos outros na capital e fora dela. Nosso objetivo é dobrar o número de CRjs no Estado até o fim deste ano. Nossa Secretaria foi criada para dar empoderamento e visibilidade para esses moradores de comunidades, até então esquecidos. Em nenhum outro governo, anterior ao do Governador Cláudio Castro, houve uma pasta exclusiva para tratar assuntos das comunidades. Inclusive, uma das nossas missões é criar um canal de comunicação direta entre esses moradores e o poder público. Estou muito orgulhoso do nosso trabalho até aqui, mas sei que há muito o que fazer.”

 

Doações eleitorais por PIX

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou o uso do PIX para arrecadação de campanha nas Eleições Gerais de 2022. A iniciativa tem como objetivo oferecer maior facilidade para as pessoas físicas realizarem doações para financiar os projetos de seus candidatos preferidos. Apesar de reconhecerem que a medida agiliza o processo, especialistas acreditam que ela estimulará um volume maior de operações por impulso, colocando em risco a reputação dos doadores.

 

Risco

Para explicar a existência deste risco, o CEO da plataforma de compliance Kronoos, Alexandre Pegoraro faz uma analogia com o trabalho desenvolvido pelo movimento Sleeping Giants Brasil criado na internet para cobrar empresas que patrocinam vídeos com discurso de ódio e desinformação. No mês de maio, a iniciativa anunciou ter chegado a um total de R$ 62 milhões desmonetizados em perfis extremistas. Este montante foi o resultado de dois anos de trabalho, período no qual foram emitidos 1.346 alertas de publicidade feitas por mais de mil empresas em ambientes que ostentavam este tipo de conteúdo ilegal.

 

Casos

“Muitos desses casos envolveram marcas sérias que tiveram suas peças publicitárias convivendo ao lado de influenciadores e comunicadores que defendiam teses nazistas, fascistas, racistas, homofóbicas e com uma série de outros problemas. Ao não tomarem o cuidado de conhecer a fundo os políticos com os quais querem colaborar financeiramente, os eleitores podem sofrer o mesmo tipo de desgaste na imagem já que terão seus nomes associados, mesmo que de forma indesejada, a este tipo de discurso caso eles ocorram”, explica.

 

Sites

O exemplo refere-se a sites, blogs ou perfis que se apresentam como veículos noticiosos e imparciais, mas que na prática são propagadores de fake news e na maioria estão ligados a interesses de partidos políticos. No caso do processo eleitoral brasileiro, a legislação atual proíbe que empresas financiem campanhas. Porém, seus executivos, na condição de cidadãos podem contribuir.

 

Perigo

E é aí que está o perigo, pois ao escolherem o candidato errado, colocam em risco a imagem da empresa que eles representam. Por isso, não é exagero companhias de todos os portes, usarem os serviços de plataformas de tecnologia especializadas em compliance judicial com a finalidade de pesquisarem o histórico dos candidatos.

 

Pesquisa

Segundo Pegoraro, o conhecimento prévio das atividades desenvolvidas pelos políticos até este momento pode apresentar indícios de que o envolvimento com atividades ou discursos reprováveis venha a ocorrer no futuro. Ele lembra o caso de um dos deputados mais polêmicos da atual legislatura. Antes de ganhar a eleição para representar o povo no Congresso ele foi preso por suspeita de venda ilegal de anabolizantes em academias e, depois de ter se tornado policial militar, recebeu 60 sanções disciplinares, 14 repreensões e duas advertências por comportamento inadequado na corporação. “Como ninguém quer ter seu nome ligado a atividades reprováveis, a melhor forma de se proteger é ter a informação antes de estabelecer um vínculo”, afirma.

 

Reputação

O executivo argumenta que o chamado Risco Reputacional, que pode levar as empresas a terem muito prejuízo junto ao mercado e aos investidores, levou o mundo corporativo a desenvolver tecnologias capazes de realizar verdadeiras varreduras no passado de pessoas e empresas para tranquilizar os lados envolvidos na hora de fechar um negócio.

As plataformas de tecnologia especializadas em compliance judicial hoje em dia já são capazes de disponibilizar, a baixos custos, a possibilidade de fazer pesquisas por meio de mineração de dados e Inteligência Artificial. E nada impede que tais ferramentas sirvam para proteger o mundo corporativo das armadilhas da política.

 

Cautela

“Ao se encantar com algum orador carismático, é recomendável utilizar essas ferramentas de pesquisa antes de passar um Pix endereçado à sua campanha. Caso contrário existe sempre a possibilidade de descobrir que o pacifista de hoje esconde manifestações não tão nobres no passado”, diz.

O post Liderança jovem de Angra dos Reis conhece a Smac apareceu primeiro em Diário do Vale.

Fonte: Diário do Vale