INB inaugura cascata de enriquecimento de urânio

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Fábrica de combustível nuclear em Resende aumenta capacidade de produção e reduz dependência do exterir

Resende – O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, inaugurou nesta sexta-feira, dia 26, na Fábrica de Combustível Nuclear (FCN), em Resende/RJ, a 9ª cascata de ultracentrífugas da Usina de Enriquecimento Isotópico de Urânio. Com a ampliação, a Indústrias Nucleares do Brasil (INB) reduz o seu grau de dependência na contratação do serviço de enriquecimento isotópico no exterior para a produção de combustível das usinas nucleares nacionais.
A 9ª cascata possibilitará o alcance da capacidade de produção para atendimento de 65% da demanda das recargas anuais de Angra 1, correspondendo a um acréscimo de cerca de 5% em relação à capacidade atual. O investimento para a construção dessa cascata foi de R$ 54 milhões.
Após a inauguração feita de forma presencial na cascata na FCN, foi realizada uma visita para demonstração do processo de enriquecimento para convidados e, logo em seguida, uma cerimônia com a presença de representantes do Ministério de Minas e Energia, Marinha do Brasil, Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN), Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), Poder Executivo e Legislativo de Resende, entre outras instituições, além de empregados da INB.
Na ocasião, o presidente da INB, Carlos Freire, destacou a palavra superação para descrever o processo de implantação da 9ª cascata de enriquecimento, que segundo ele, está sendo possível mesmo com a pandemia e restrições orçamentárias sofridas pela estatal. “Essa é mais uma conquista para a INB e para o país, o que reflete a sinergia entre a empresa, a Marinha do Brasil, o Ministério de Minas e Energia e as instituições do setor nuclear brasileiro”, disse.
Freire destacou que a tecnologia de enriquecimento isotópico do urânio pelo processo da ultracentrifugação tem importância estratégica para o Brasil, por ser uma tecnologia de ponta, dominada por poucos países. “A nossa expectativa é concluir a primeira etapa até o final de 2022. Em seguida, o desafio será a implantação da Usina Comercial de Enriquecimento de Urânio, a UCEU, que prevê a instalação de 30 cascatas de ultracentrífugas. Quando todas estiverem em funcionamento, seremos autossuficientes na produção de urânio enriquecido. Ou seja, a INB será capaz de suprir, com produção nacional, a demanda das usinas nucleares de Angra 1, 2 e 3”, finalizou.
Na sequência, o ministro de Minas e Energia enfatizou a importância da autoestima para a superação e concretização de realizações como a inauguração da 9ª cascata de enriquecimento de urânio da INB e ressaltou a importância da força de trabalho, dos colaboradores, conselhos fiscal e de administração nesse processo. “Vocês conseguiram isso superando desafios que já vem de anos e também mais de 700 dias de pandemia. Isso a meu ver é motivo para orgulho e autoestima”, disse.
Bento ressaltou que a INB é uma empresa estratégica para o Brasil e tem vantagens competitivas em relação a outros países do mundo em relação a energia nuclear. “Nós temos grandes reservas de urânio no país, mineral fundamental para a fabricação do combustível nuclear, nós dominamos a tecnologia de combustível nuclear e somos um país que tem necessidades energéticas muito grandes por ser um país continental”, destacou.
O ministro enfatizou a energia nuclear como fundamental para a transição energética do mundo. “E o Brasil poderá cooperar muito com a comunidade internacional, por essas características que têm: pela tecnologia que domina, pelas reservas minerais que possui e também por ter empresas como a INB”, assegurou.

Operação

A inauguração faz parte da primeira fase da implantação da Usina de Enriquecimento Isotópico de Urânio, um projeto em parceria com a Marinha do Brasil, que visa à instalação de dez cascatas de ultracentrífugas na FCN. Quando estiver concluída esta etapa, será atingida a capacidade de 70% da demanda anual necessária ao abastecimento de Angra 1.
A tecnologia de enriquecimento do urânio pelo processo da ultracentrifugação foi desenvolvida no Brasil pelo Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP), em parceria com o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN /CNEN). De acordo com a World Nuclear Association, o Brasil faz parte de um seleto grupo de 13 países reconhecidos como detentores de instalações para enriquecimento de urânio com diferentes capacidades industriais de produção.

Ampliação

A 2ª fase do empreendimento contemplará mais 30 cascatas de ultracentrífugas, fazendo com que a INBatinja a capacidade suficiente para suprir a demanda de urânio enriquecido para recarga das usinas nucleares de Angra 1, 2 e 3.

Foto: INB
Ministro inaugura nova cascata de enriquecimento de urânio





Fonte: Diário do Vale