Diretor da CSN diz que eleição sindical afeta acordo coletivo

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Diretores da CSN estão preocupados com interferência do processo eleitoral na negociação do acordo coletivo – Foto: Arquivo.

Volta Redonda- O diretor Institucional da CSN, Luiz Paulo Barreto, afirmou que o processo eleitoral do Sindicato do Metalúrgicos do Sul Fluminense está interferindo de forma negativa na negociação do acordo coletivo entre os metalúrgicos e a CSN.

Segundo ele, a oposição sindical está inflando os trabalhadores a rejeitarem as propostas, sem uma análise mais detalhada.
—Existe uma interferência do processo político-eleitoral nas negociações do acordo. As propostas feitas pela empresa foram descartadas sem uma análise mais detalhada. Estão usando o a negociação do acordo como pretexto e plataforma de campanha. Isso prejudica principalmente os trabalhadores, que continuam sem reajuste salarial e sem abono, e também afeta a empresa e a própria cidade, já que o abono e a melhora no poder de compra do trabalhador aumenta a circulação de dinheiro no comércio, gerando emprego, renda e impostos para a prefeitura — disse Barreto.

A CSN já apresentou três propostas aos trabalhadores, duas delas foram rejeitadas em Assembleia e uma delas não foi levada à votação pelo sindicato. Nos últimos acordos coletivos, o acordo coletivo precisou de pelo menos três votações para ser aprovado e a empresa até o momento não informou quando pretende apresentar uma nova proposta aos trabalhadores.
O diretor de Gente e Gestão da CSN, Leonardo de Abreu, afirmou que a empresa sempre esteve aberta à negociação, mas reforçou que elas precisam respeitar a legislação. “A CSN só defende a legalidade. Vamos negociar sempre com quem quer esteja na direção do sindicato. Nas unidades de Congonhas e Itaguaí, as direções dos sindicatos pertencem à central sindical que abriga o movimento de oposição de Volta Redonda, e a empresa negocia normalmente com eles”, disse.

Proposta

Na proposta mais recente, rejeitada pelos metalúrgicos, a empresa ofereceu 11% de reajuste para quem recebe salário até R$ 3 mil mensais; 9% para quem ganha acima de R$ 3 mil até R$ 5 mil e 8% para quem ganha mais de R$ 5 mil.
O cartão alimentação, pela proposta, iria para R$ 450 mensais, com carga extra de R$ 800 em duas parcelas: uma de R$ 400 cinco dias depois da assinatura do acordo e outra no mesmo valor em dezembro deste ano.
Seria pago, também, um abono que corresponde a 76% do target, ou 1,9 salário. O abono já foi aprovado por mais de 90% dos votos pelos colaboradores da CSN Paraná. Os trabalhadores que registram ponto e usam banco de horas receberiam também uma carga extra de R$ 800, pela renovação do banco de horas.
O Diretor de RH esclareceu que está em negociação apenas a renovação do banco de horas. Com isso, a carência de seis meses iniciais para se começar a pagar as horas extras já foi cumprida e, daqui para frente, mensalmente serão pagas as horas extras não compensadas “Esse banco permite que o colaborador goze de descanso de acordo com o que vier a combinar diretamente com o seu gestor, dando mais mobilidade às compensações”, pontuou.

Plano de saúde

Outro ponto que vem sendo discutido entre os trabalhadores é o plano de saúde oferecido pela empresa. Segundo o Diretor de RH, antes da mudança da empresa que administra os planos de saúde, 95% dos atendimentos ocorriam em Volta Redonda e região e a regionalização do plano não trouxe prejuízos aos trabalhadores, que contam também com atendimento de urgência e emergência em todo território nacional;
Ele também destacou pontos positivos no plano de saúde oferecido pela atual prestadora. “Ele é regulamentado e oferece uma abrangência maior de procedimentos, como, por exemplo, atendimentos com psicólogos. Além disso, o fator moderador da LIV é menor”

Demissões

Uma liminar do Tribunal Superior do Trabalho (TST) derrubou as determinações da Justiça do Trabalho local e regional para que nove dos empregados despedidos pela empresa fossem readmitidos. Agora, a CSN está desobrigada de readmitir essas pessoas e só terá de fazê-lo se o plenário do TST mudar a decisão do Ministro Guilherme Augusto Caputo Bastos, Corregedor-Geral da Justiça do Trabalho, o que pode demorar meses para ser decidido.

Benefícios atuais, pagos além do que determina a CLT:
– Plano de Saúde;
– Plano Odontológico;
– 70% das férias ao invés de 33,33% previsto na legislação;
– Horas-extras pagas com acréscimo superior aos 50% previstos na legislação;
– Auxílio-creche;
– Bolsas de estudo;
– Cartão alimentação;
– Seguro de vida;
– Previdência privada;
– Abono;
– Empréstimo sem juros;
– Convênio farmácia;
– Convênio academia.

O post Diretor da CSN diz que eleição sindical afeta acordo coletivo apareceu primeiro em Diário do Vale.

Fonte: Diário do Vale