Comerciantes de bairros se reinventam em meio à pandemia

0
7


Uma das apostas para fomentar as vendas foi investir em páginas nas redes sociais

Criatividade mantém comércio funcionando (crédito Rose Martins)

Barra Mansa – Há mais de um ano e meio enfrentando as dificuldades impostas pela pandemia do Coronavírus, comerciantes que têm seus negócios nos bairros da cidade precisaram se reinventar, ao longo dos últimos meses, para conseguir manter suas portas abertas. Em Barra Mansa, bairros de população numerosa, como os da Região Leste, Vista Alegre e Vila Nova, possuem um comércio diversificado e a saída, conforme apontam alguns empresários, foi apostar nas redes sociais para alavancar suas vendas.

A comerciante Izamara de Jesus Bastos tem uma loja de roupas femininas e masculinas no bairro Vila Nova. De acordo com ela, a pandemia e as suas consequências, como a imposição do isolamento social e a queda no poder de compra da população “deram um grande baque” no setor, no entanto, agora a situação parece sinalizar para uma melhoria. E um dos motivos dessa melhora está associado às redes sociais.

Ainda no ano passado ela e outros 60 comerciantes do bairro se reuniram em um grupo de whatsapp,através do qual se organizavam com relação aos horários de funcionamento, trocavam ideias, informações e onde até fizeram o sorteio da campanha de natal. Em maio deste ano ela criou a página @comercio_vilanova, onde vários segmentos podem divulgar seus negócios e a iniciativa, conforme ressalta, vem sendo um divisor de águas para muitos lojistas.
“Tem dado muito certo e o melhor é que não temos custo para manter a página, a não ser quando queremos impulsionar alguma publicação. Quando isso acontece, nós fazemos uma vaquinha. A página tem ajudado a todos porque a tendência de vendas hoje é ser visualizado, principalmente aquele comércio pequeno, que sempre ficava esperando o cliente ir até à loja dele. Nós passamos dificuldades nesse período, assim como todos os setores, mas nos adaptamos e acompanhamos esse efeito pandemia, que impôs mudanças de comportamentos na hora da compra”, salientou Izamara.

Para finalizar, a comerciante acrescentou que a expectativa é melhorar, nos próximos meses, uma vez que se aproxima uma nova estação e as festas de fim de ano. “A curva de vendas já está subindo e têm fornecedores já dando prazos para a gente comprar as novas coleções. Estamos muito otimistas – disse Izamara, ao ressaltar que agosto foi um mês positivo para vendas.

Novas clientes na pandemia

A microempreendedora Clarissa Santos, também enfrentou dificuldades no início da pandemia. Ela mora no bairro Boa Vista, onde tem uma loja de roupas e acessórios femininos e conta que ter apostado nas redes sociais foi o que a ajudou a manter as vendas e a conquistar novos clientes. Além de ter criado um grupo em um aplicativo de conversas, onde posta as novidades e promoções para as clientes, ela também criou uma página da loja e investiu no serviço de entrega.

“No começo, achei que fosse ter que fechar a loja. Mas, um dia, uma amiga que também vende roupas me falou dos resultados positivos que teve com a página da loja dela, fazendo stories das novidades, então resolvi dar mais atenção para a minha página e hoje posso dizer que 70% das clientes que vêm a procura de mercadorias é porque viu lá, primeiro”, garantiu Clarissa.

Valorizando o comércio local
Conforme ressalta o presidente da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas), de Barra Mansa, Leonardo dos Santos, o resultado de uma pesquisa feita pela entidade apontou que os bairros foram menos afetados na pandemia, se comparado com o da área central, uma vez que no período de isolamento social muitos consumidores optaram em comprar no comércio local.

“Esse foi um dos motivos que ajudou esses comerciantes a diminuir o impacto causado pela pandemia. Mas, muitos realmente se reinventaram, nesta questão da internet, vendas online e entregas”, observou o presidente, ao acrescentar que a entidade está com o projeto CDL nos Bairros, que tem por finalidade visitar algumas localidades, ouvindo as demandas dos lojistas que ali atuam

“Vamos elaborar algumas ações para atender quem está nos bairros. Fizemos campanha de conscientização para o consumo local, durante a pandemia, e agora vamos tentar incluir o maior número possível de lojistas na nossa campanha de Natal”, concluiu Santos.





Fonte: Diário do Vale