Bancas de jornais desativadas são retiradas das ruas de VR

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Locais estavam sendo usados como banheiro, além de acumular lixo e atrair animais peçonhentos

Uma banca foi retirada da Avenida Amaral Peixoto, próxima ao Viaduto Nossa Senhora das Graças – Foto; Cedidas pela Semop.

Volta Redonda- A Secretaria Municipal de Ordem Pública (SEMOP) segue trabalhando focada no ordenamento de Volta Redonda, e dando prosseguimento a este objetivo, nesta quinta-feira (20), a pasta atendeu solicitações de moradores e comerciantes e retirou duas bancas de jornais desativadas das ruas.

De acordo com a secretaria, os locais estavam sendo usados como banheiro, além de acumular lixo na parte de trás, atraindo animais peçonhentos e causando sensação de insegurança aos moradores.  Ainda de acordo com a denúncia de populares, durante a noite esses lugares eram frequentados por usuários de drogas.

Uma banca foi retirada da Avenida Amaral Peixoto, próxima ao Viaduto Nossa Senhora das Graças, e a outra da Avenida Antônio de Almeida, no Retiro. Os dois locais serão revitalizados pela Secretaria Municipal de Infraestrutura (SMI). De acordo com a fiscalização da Secretaria Municipal de Fazenda (SMF), as duas bancas estavam com alvará de funcionamento expirado e fechadas há alguns meses. Os proprietários foram notificados para que as mesmas fossem retiradas, mas o prazo venceu e eles não cumpriram a determinação.

Por ser muito pesada, a banca da Avenida Amaral Peixoto foi removida por um caminhão munk do Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) e levada ao Depósito Público Municipal, mesmo destino da outra.

O secretário municipal de Ordem Pública, tenente-coronel Luiz Henrique Monteiro Barbosa, informou que vai intensificar os trabalhos de ordenamento da cidade.

“Vamos intensificar os trabalhos e continuar a fazer a retirada de carros abandonados em vias públicas dos bairros, poda de árvores, desobstrução de calçadas, entre outros serviços essenciais. Acabando com a sensação de insegurança que esses problemas geram”, afirmou.





Fonte: Diário do Vale