Aman promove primeira formatura de turma mista de aspirantes a oficial

0
11


Nome da turma é Dona Rosa da Fonseca e tem 391 cadetes, sendo 368 homens e 23 mulheres

Foto: ComSoc Aman
Cadetes em formação para a cerimônia de entrega das espadas

Resende – A Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) realizou, no sábado (27/11), no Pátio Tenente Moura (PTM), em Resende (RJ), a Cerimônia do Aspirantado 2021. Em 210 anos de história da Bicentenária Academia, foi primeira vez que a instituição formou um grupo misto. A Turma Dona Rosa da Fonseca tem 391 cadetes, sendo 368 homens e 23 mulheres.

Os “agora”  Aspirantes a Oficial deram início ao majestoso evento com a restituição do Espadim, quando, trajados pela última vez com o uniforme Azulão, entregaram as réplicas da Espada de Caxias à Academia.

E, de uniforme cinza, num segundo momento,  receberam a Espada de Oficial do Exército Brasileiro, símbolo da honra militar.

Para esse grande momento final, foram cinco anos de caminhada, que teve início com a aprovação (2016)  e o ingresso (2017) na Escola Preparatória de Cadetes do Exército. A chegada  à AMAN (2018) ocorreu sob muita expectativa. Afinal, para a inserção do segmento feminino na linha combatente do ensino bélico foram muitos personagens envolvidos.

Precede a solenidade do Espadim, algumas atividades. Dentre elas, a colação de grau, realizada no dia 26 de novembro, quando os Aspirantes receberam o diploma de Bacharel em Ciências Militares.

No sábado, a cerimônia contou com a presença do Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, do Vice-Presidente Antônio Hamilton Martins Mourão, de ministros de Estado, autoridades dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, oficiais generais da Marinha, do Exército e da Aeronáutica e demais autoridades civis e militares.

Do total de Aspirantes, 391, 135 são de Infantaria; 60 de Cavalaria; 53 de Artilharia; 40 de Engenharia; 31 de Intendência; 28 de Comunicações; 14 de Material Bélico. Dentre “as” cadetes, 13 são da Intendência e 10 do Material Bélico. Eles são oriundos das cinco regiões do Brasil: Sudeste (221); Sul (85); Nordeste (35); Centro-Oeste (21); Norte (22). Destes, sete são pertencentes às Nações Amigas, sendo: 1 da Guiana, 1 do Paraguai; 2 do Senegal, 1 do Timor Leste; 2 do Vietnã. Eles estavam nos cursos de Infantaria (1), Cavalaria (1), Artilharia (1), Engenharia (1), 1 Intendência (1) e Comunicações (2).

O primeiro lugar da turma, Asp Of João Pedro Castro Brum Silva de 24 anos, recebeu das mãos do Presidente Jair Bolsonaro, a Espada de Oficial. Logo após, seis Oficiais Generais fizeram a entrega das Espadas aos Aspirantes, que se destacaram em primeiro lugar em suas Armas, Quadro e Serviço, bem como a Medalha Marechal Hermes. Em seguida, madrinhas e padrinhos fizeram a entrega das Espadas aos demais Aspirantes.

Além da bandeira nacional, acompanhada dos estandartes do Exército, do Corpo de Cadetes, das Bandeiras Históricas do Brasil, adotadas desde o descobrimento, também adentraram o Pátio as bandeiras das Nações Amigas.

Durante o evento, o Presidente Jair Bolsonaro, ressaltou as dificuldades enfrentadas na formação e a vitória obtida por todos os cadetes. “Quem passa por aqui sabe das dificuldades. Nunca se esqueçam delas e das conquistas. Tenham gratidão, pois sempre há alguém nos ajudando. Hoje, somam-se a nós, um grupo de 23 mulheres, por isso essa formação marca a todos  nós de maneira única”, afirmou o Presidente.

Ao término da cerimônia do Aspirantado, todos foram convidados a entoar a Canção da AMAN.

A turma leva o nome de uma precursora. Dona Rosa da Fonseca,  Patrono da Família Militar. Nascida em 18 de setembro de 1802, na então Cidade de Alagoas, capital da Província de mesmo nome, atual município de Marechal Deodoro, casou-se com o Major do Exército Imperial Manoel Mendes da Fonseca, valoroso militar e grande monarquista. Mulher de caráter varonil, sempre o apoiou em suas resoluções e o acompanhou. É reconhecida como exemplo de valores a serem seguidos pela família militar.

Para a mãe do Aspirante a Oficial Matheus Lima, um dia como este é a concretização de um sonho antigo.

“Temos um vídeo do Matheus na 4ª série do primário em que ele cita o desejo de ser um tenente do Exército Brasileiro. Ele está seguindo o caminho do pai, que, em breve, será um Capitão do Quadro Auxiliar de Oficiais”, afirmou a assistente social Marlizete Lima.

O Comandante da AMAN ressaltou que a estrela prateada é o merecimento de todos pela perserverança, comprometimento e dedicação. Por último, disse que isso amplia a emoção do momento. Destacou, ainda, as mulheres que integram, pela primeira vez uma turma formada na AMAN ao pedir aplausos do público ao feito inusitado na história da bicentenária Academia. “Essa conquista se concretizou com apoio de muitos, desde  as famílias até às seções da AMAN. Não almejem outra coisa  senão os padrões de servidão pública e ética e mantenham-se unidos, como irmãos”, destacou o Comandante da AMAN, General de Brigada Paulo Roberto Rodrigues Pimentel.





Fonte: Diário do Vale