Alerj debate acesso à água e ao saneamento na região

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Pesquisa mostra que, em quase duas décadas, 312 cidades no mundo reestatizaram seu serviço de saneamento.

Foto: Reprodução da TV Alerj
Encontro virtual discute saneamento na região

Sul Fluminense – As Comissões de Trabalho e de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania, da Assembleia Legislativa do estado do Rio de Janeiro (Alerj), se reuniram, nesta sexta-feira (22/10), para debater os desafios da garantia do direito ao saneamento básico adequado na Região Sul Fluminense, que engloba municípios como Barra do Piraí, Valença e Volta Redonda. Ao pensar soluções que consigam viabilizar um serviço eficiente, a professora e pesquisadora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Cleonice Puggian, chamou a atenção para um dado importante: de acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Transnacional, da Holanda, entre 2000 e 2019, cerca de 312 cidades (em 36 países) reestatizaram seus serviços de saneamento.

Cleonice iniciou sua apresentação destacando a importância da gestão municipal no saneamento, já que a Lei de Águas (Lei 9.433/97) confere a titularidade da distribuição de água e da coleta e do tratamento do esgoto à administração municipal: “De que maneira esse serviço vai afetar a vida das populações, especificamente das mais pobres? Com a autonomia que os municípios têm para decidir, a gestão de saneamento se torna muito importante. Esta deve ser participativa e transparente. São espaços de decisão que têm que dialogar com a sociedade civil organizada. Muitas vezes esses municípios não têm conhecimento sobre a rede hídrica, possuem mapas desatualizados. Eles delegam à Cedae e não se apropriam da informação”.

A pesquisadora também ponderou sobre a possibilidade de as cidades terem um serviço prestado pela própria administração municipal ou concedido a empresas privadas. “É melhor colocar na mão de quem visa ao lucro ou manter estatizado? Há autarquias municipais criadas para o serviço muito bem-sucedidas, como em Cachoeiras de Macacu. Então é possível sim se organizar para fazer todo o serviço e para obter recursos federais. Também é possível conceder o serviço à iniciativa privada, mas para isso é fundamental compor um conselho de saneamento básico para analisar junto à sociedade civil. Nem sempre é um serviço lucrativo, e gera uma enorme necessidade de investimento, que muitas vezes as empresas não conseguem fazer. O ideal seria os municípios da mesma região se articularem, com uma política de saneamento eficiente a todos”, ressaltou.

Presidente da Comissão de Trabalho, a deputada Mônica Francisco (PSol) reforçou a importância da transparência nas ações e na aplicação de recursos de saneamento básico. “No Sul Fluminense as questões às vezes ficam invisíveis. Onde há parceria público-privada precisamos garantir a manutenção dos trabalhadores e trabalhadoras e a preservação ambiental. Fica muito nítida a necessidade de aprofundamento, não só do debate, mas de ações específicas. Temos que controlar a atuação das empresas e o uso de orçamento. É preciso transparência na aplicação do dinheiro da Cedae; não pode haver só uma rubrica no orçamento e o recurso ficar à mercê de suas vontades. A crise hídrica só vai aumentar, temos que ter uma ação efetiva e contundente”, analisou a parlamentar.

Já a presidente da Comissão de Direitos Humanos, Dani Monteiro (PSol), pontuou os impactos negativos do serviço de saneamento precário: “O estado não coleta nem 60% do esgoto, o que traz diversas possibilidades de adoecimento. É um bem humano fundamental, então temos que nos dedicar a pensar na água potável e na coleta de esgoto em municípios com poucos recursos”.

Presidente do Comitê da Bacia da Região Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul, Luis Felipe Cesar falou sobre a centralidade do rio Paraíba do Sul, e destacou a urgência de se pensar os municípios articuladamente. “A natureza transcende nossos limites políticos, geográficos e legais. A região do Médio Paraíba do Sul tem 1 milhão de habitantes, mas provê água para 10 milhões, com a transposição para o rio Guandu, em Piraí. É curioso saber da fragilidade no abastecimento na região. Isso se dá porque se pensa pouco em soluções baseadas na natureza, na ocupação do solo. A região foi berço do ciclo do café, o que teve um impacto ambiental tremendo, devastando a mata atlântica, jamais recuperada. A justiça social precisa estar contemplada nos programas de gestão ambiental”, enfatizou.





Fonte: Diário do Vale