Mais de mil terceirizados da Educação estão sem salários em Petrópolis

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Os salários de maio dos terceirizados da educação – seriam mais de mil pessoas – ainda não caíram em suas contas. E a previsão é sombria. A empresa contratada teria se comprometido a pagar até amanhã, mas como emenda com o feriadão… Ontem ainda se formou uma longa fila na porta da nova terceirizada, a Capital Ambiental, porque contratados que eram da empresa anterior, a De Sá, foram aproveitados, mas tiveram de retornar para entregar alguma documentação. Há ainda problemas na emissão atrasada de vale-transporte e vale-alimentação.

Contratos de mais de R$ 90 milhões são omitidos

E já estamos na metade do contrato com a Capital Ambiental – contrato emergencial, sem licitação – e ele ainda não apareceu no Portal da Transparência da prefeitura. Rubens Bomtempo segue os mesmos passos do antecessor, o interino Hingo Hammes que também omitiu o contrato com a De Sá, também emergencial. Ambos têm o mesmo objeto: contratação de mais de mil pessoas para suprir as carências da Educação.

Duas terceirizações emergenciais

A terceirização teria sido permitida pela justiça, afinal, sem novo concurso e não podendo mais contratar por RPA, o famoso Recibo de Pagamento a Autônomo, a Educação poderia parar em muitas unidades. O que pega é os contratos serem os mais vultuosos da prefeitura. Com a De Sá foram R$ 46 milhões em seis meses e a Capital Ambiental deve seguir o mesmo caminho.  Logo, em um ano são mais de R$ 90 milhões.

__________

Todas as nossas reportagens estão em constante atualização. Quem entender (pessoas físicas, jurídicas ou instituições) que tem o direito de resposta acerca de quaisquer de nossas publicações, por ter sido citado ou relacionado a qualquer tema, pode enviar e-mail a qualquer momento para [email protected]