Em protesto, moradores de Petrópolis cobram agilidade do governo na recuperação da cidade após desastres | Região Serrana

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Moradores de Petrópolis, na Região Serrana do Rio, fizeram um protesto neste sábado, no Centro, cobrando agilidade do governo nas ações de recuperação da cidade e atendimento às vítimas após duas tragédias, que deixaram 234 mortos e outros três desaparecidos, após inundações e quedas de barreira em diversos pontos.

Com faixas, cartazes e apitos, os manifestantes saíram, por volta das 10h deste sábado (26), da Praça da Águia e percorreram as ruas do Imperador e da Imperatriz até chegarem à Prefeitura. Eles cobram ações mais contundentes do município e transparência quanto ao gasto do dinheiro enviado pelos governos estadual e federal para a recuperação da cidade. Cobram ainda o aluguel social para moradores de áreas de risco e a limpeza dos rios.

Em um dos cartazes, os moradores pedem a “reconstrução estratégica do 1º Distrito já!”

“O governo municipal recebeu verbas do Estado, do Governo Federal, a gente tem como comprovar, o Portal da Transparência está aí pra quem quiser entrar lá e ver. É bueiro sujo, lixo, entulho espalhado pela cidade, barro, eles vão tirando de um canto e jogando para o outro. Então, é tragédia anunciada. Qualquer nova chuva que venha, tem previsão de chuva para amanhã de novo. Até quando a gente vai ver esse descaso com a cidade, sabe? A gente quer que o prefeito tome ações imediatas. O comércio tá sofrendo, tem gente que não conseguiu se recuperar até hoje, desde 15 de fevereiro”, disse Fernanda Soares, uma das manifestantes.

Em nota enviada pela assessoria de imprensa, a Prefeitura disse que atua com frente de trabalho, com mais de mil trabalhadores, além de retroescavadeiras e caminhões, em diferentes pontos da cidade, para limpar os locais atingidos e desobstruir vias, removendo barreiras.

“Equipes da Comdep e da Secretaria de Obras também estão realizando a limpeza dos bueiros, inclusive com o auxílio do caminhão vacol. As equipes também estão atuando na remoção e na poda das árvores. Todas as equipes estão empenhadas para recuperar a cidade após a maior catástrofe climática da história do município”, disse a Prefeitura.

Quando à limpeza dos rios, a Prefeitura falou que o trabalho compete ao Inea, e que está sendo feito e acompanhado.

“A Prefeitura esclarece também que o desassoreamento dos rios começou a ser feito pelo Instituto Estadual do Ambiente (INEA), a quem compete a responsabilidade legal pelo trabalho. A Prefeitura acompanha a ação e cobra agilidade nas operações”.

Ainda de acordo com a Prefeitura, o Ministério Público e Poder Judiciário (4ª Vara Cível) “definiram que a obra emergencial do túnel extravasor do Rio Palatino: no trecho do Quissamã e também na entrada do túnel, na Rua Souza Franco, no Centro, para prevenir alagamentos, ficou sob a responsabilidade do Governo do Estado”.



Fonte: G1