Carnaval 2022: conheça os enredos das escolas de samba do grupo especial de Nova Friburgo, no RJ | Região Serrana

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Faltam três dias para o desfile das Escolas de Samba do Grupo Especial de Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio. Neste ano, por causa da pandemia da Covid-19, o carnaval na cidade foi transferido para o mês de maio, junto com as comemorações do aniversário do município.

A programação começa na sexta-feira (13) e segue até o dia 16, quando a cidade comemora aniversário de 204 anos (programação completa no site da Prefeitura).

Já os desfiles das Escolas de Samba do Grupo Especial serão neste sábado (14) e, para que os foliões cheguem afiados na avenida, o g1 reúne abaixo, por ordem de desfile, detalhes dos enredos e do que ser será apresentado pelas agremiações do grupo especial.

Confira abaixo e fique bem informado.

Unidos da Saudade, Escola de Samba de Nova Friburgo — Foto: Everton Rosa

  • Cores da agremiação: Roxo e branco.
  • 
Qual o enredo? 
Metalurgia: Chave do Progresso 

  • Explicando o enredo em poucas linhas: 
Visando exaltar o setor metal mecânico de nossa cidade, e também mostrar a importância da metalurgia na história da humanidade. Para comemorar o centenário da metalurgia no país,que foi comemorado em 2021, mas com o adiantamento do carnaval, iremos comemorar esse ano. E também para fugir dos enredos tradicionais enredos.


A grande explosão criou o mundo
E desse choque profundo
Fogo, o ferro aquecia
Ao homem primitivo nas cavernas
Lumiou igual lanterna, surge a metalurgia
Moldando a história de antigas civilizações
Forjando o futuro, desbravando direções
E pra quem sabe criar…
O Império mais forte que há de se encontrar

Em Roma a fúria do leão
o aço da lança jorrava no chão
o sangue inimigo na lei do mais forte
reflete perigo o fio de corte

E navegou o oceano
Deste novo mundo de desbravadores
Quando as pedras preciosas
Riquezas de outrora, de tantos valores
Era um Ouro Preto que brilhava
A terra aflorava, o minério das Gerais
Mas a ambição destrói demais
E hoje
Nova Friburgo é referência
Na indústria e na ciência, o meu despertar
O samba é o aço que resiste
Sentimento que persiste e faz o meu povo cantar

Patakori Ogum, Ogunhê!
no toque do Adarrum, o couro vai comer
blindada de amor no Carnaval
eu sou saudade na bravura do metal

  • 
Compositores: Evandro Malandro, Cláudio Russo, Gustavo Clarão, Diego Nicolau e Thiago Meiners.
  • Número de alegorias: 7
  • 

Quantidade de componentes: 1200


  • Número de Alas: 25

Alunos do Samba, escola de samba de Nova Friburgo — Foto: Fotos cedidas pela agremiação Alunos do Samba

  • Cores da agremiação: Azul e branco
  • Qual o enredo? 
Hakuna Matata: Se existem problemas há solução, Se não há solução não existem problemas.
  • Explicando o enredo em poucas linhas: Hakuna significa: “Não existem”; e Matata significa: “problemas”. Juntas 
Hakuna Matata formam a expressão “não existem problemas”. Hakuna Matata é uma frase em suaíle, língua falada na África Oriental – sobretudo no Quênia. O carnaval tem a linda missão de “carnavalizar” as situações da vida. Sendo assim, uma das perguntas mais feitas pelo ser humano na atualidade é: “Onde começam os meus problemas e onde eles terminam?” Além disso, problematizar algumas situações da vida seja talvez o jeito mais rápido e eficiente de gerar diálogo sobre ela e, assim, resolver a pendência.

Veio da África Ancestral,
Um grito de amor e liberdade!
Problematizar pra carnavalizar
E compreender a sociedade.
Desde mil e quinhentos
que tristes momentos assolam o país.
O que se chamou “descobrimento”, ao longo do tempo
Se revela verdadeira invasão.
Mercenários, condenados.
Escravizando e roubando esta nação.

Porque tanto mal do “Homem de Bem”?
Se abro o jornal, alegria não tem!
A ignorância veste terno e gravata
“Pregando” a intolerância, o ódio e mamata.

Tá tudo caro!
E esse é o retrato de uma terra desigual.
Mas eu não paro, mesmo sem vagas
Luto par o bem vencer o mal.
Sei que este Povo de fé
Vai voltar a sorrir e espalhar união!
Longe da tristeza que “tá aí”
Na certeza que dias melhores virão!
Chega de tantos problemas,
Que eu leve pra sempre o amor!
“Alô Brasil!” Levanta a sua hora já chegou!

De Azul e Branco, estendo o meu manto
Alunos do Samba és meu bem querer!
“Hakuna Matata é lindo dizer!”
Que os seus problemas
Só o Samba pode resolver!

  • 
Compositores: Guto, Rafael de Caxxias, Marlon Caetano, Átila Silva, Devid Gonçalves, Elizelton, Luana Gonçalves, Bruna Valentim.
  • 


Número de alegorias: 5
  • 

Quantidade de componentes: 980
  • 

Número de Alas: 23

Imperatriz de Olaria, escola de samba de Nova Friburgo — Foto: Ana Olivia Verly

  • Cores da agremiação: Vermelho e Branco
  • Qual o enredo de 2022? Anauê, Membira Ibi! Salve o Povo da Terra
  • Explicando o enredo em poucas linhas: A escola traz uma homenagem aos povos originários, e promete contar a história das populações indígenas brasileiras. O enredo mergulha na vida, costumes, comportamentos e personalidade do indígena brasileiro. Nosso irmão mais velho.

Anauê, membira ibi!
Salve, Uiruuetê!
de Urucum vou me pintar
sigo os caminhos de Tupã
vim do barro, vim da terra,
minha mãe eu vou louvar.
Filho da natureza eu sou;
nasci e me criei aqui
devoto de Ceuci, Jaci e Guaraci;
sagrada proteção
fui Curumim e tô pronto pra batalha
trago na veia a cultura e tradição;
alma guerreira, meu mundo é meu chão
corpo e alma, em comunhão!

De peito aberto minha flecha é minha fé!
Sigo em frente venha, o que vier.
Creio no Pejé, na herança ancestral,
nessa força sobrenatural!

Meu paraíso tem vida na fonte,
tem fauna e flore pra lá do horizonte;
respeito e harmonia é fundamental;
ter consciência é o principal!
Índia! guerreira, mãe, mulher.
Cuida. eterna guardiã.
Cria, procria. Porto seguro.

Luz do meu amanhã.
Sai pra lá! homem branco quer rouber.
Senhor da ambição, aqui não vai se criar.
Do mesmo fogo que mata, renasce a chama da guerra
Sou resistência, sou dono dessa terra!

Na tribo Imperatriz meu tambor vai tocar
Olaria é minha aldeia
Virgem Maria abençoe meu canto de liberdade
Vermelho e branco é a minha identidade.

  • Compositores: Marquinhos Mello, Jõao Paulo, Evandro das Neves, Jeffinho da Bomboniere, Cristiano Huguenin, Rodrigo Mirantes da Vila e Fabrício Corujão.
  • Número de alegorias: 5
  • Quantidade de componentes: 1.000
  • Número de Alas: 20

Village no Samba, escola de samba de Nova Friburgo — Foto: Thainan Thedim

  • Cores da agremiação: Verde e branco
  • 
Qual o enredo? O Som do Sertão
  • 

Explicando o enredo em poucas linhas: A escola vai falar sobre a música sertaneja. Da inspiração ao sucesso. Os caminhos que esse estilo musical percorreu e como e quanto ele influenciou e marcou as nossas vidas. O enredo promete ser leve, divertido e descontraído para que as pessoas entendem a essencia da música sertaneja, passando é claro pelo grandes sucessos e clássicos. No ano passando, a escola falou sobre o cinema, homenageou grandes sucessos das telonas, muitos filmes internacionais. Dessa vez, a estrela é o sertanejo, uma escolha mais nacional, uma forma de exaltar um estilo todo nosso. 



Galo cantou na aurora
Trilha sonora do interior
O sol raiou, sabiá trinou
Num doce cenário de esplendor
Do manso regato, a melodia
O tom vem do mato, em sinfonia
Abrindo a porteira, um sonho no olhar
Levar bem longe o som do meu lugar

Chora viola, nesse meu abraço
Em cada passo por esse mundão
Guardo a saudade lá da minha serra
O “cio da terra” era inspiração
Viola chora num acorde dolente
“Tocando em frente” nessa solidão
Eu sou vaqueiro, um peão amante
“Boiadeiro errante” de bom coração.

Nessa longa estrada da vida
Ajuntei as ferida no meu caminhar
Fui pirapora, nossa senhora
Em “romaria” pedi pra me abençoar
Fiz poesia em cada canção
Do “rancho fundo” ao “luar do sertão”

Rompi barreiras, ganhei cidades
Contando em causos a simplicidade.
Cantei o amor, quando a dor veio, enfim,
Numa “nuvem de lágrimas”, desaguar no jardim
Cantei o amor, foi-se embora a tristeza
“Evidências”, certeza, que alguém pensa em mim.

A minha vila é sertaneja na raiz!
É caipira, é mais feliz!
Moda de samba com cavaco e violeiro
Berrante, tantã, sanfona e pandeiro.

  • Compositores: Jeferson Lima, Rogerinho Sancho, Guto Guimarães, Marlon Caeteano, Adonai e Coreia Intérprete: Monstrinho 

  • 
Número de alegorias: 4
  • 

Quantidade de componentes: 900
  • 

Número de Alas: 18



Fonte: G1