São Gonçalo, Niterói e Itaboraí têm baixo número de casos de dengue e sem mortes

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp



O Estado do Rio de Janeiro vem registrando aumento no número de casos de dengue, em 2022. Em último balanço divulgado, já são 2.839 pessoas que tiveram a doença e três mortes confirmadas, de 1° de janeiro a 30 de abril. Em 2021, no total, foram 2.879 e quatro óbitos. Na Região Metropolitana, no entanto, os municípios de São Gonçalo, Niterói e Itaboraí têm baixo número de casos e este ano, nenhuma morte confirmada. 

São Gonçalo

A Secretaria Municipal de Saúde informou que foram confirmados, até o fim de abril, cinco casos de dengue, dois de chikungunya  e nenhum de zika. Não há mortes e internações.

Niterói

Niterói informou que não houve aumento considerável no número de casos. Neste ano, de janeiro até março, foram contabilizados 11 casos, nenhum de zika ou chikungunya.

A prefeitura ainda reiterou que “realiza medidas de prevenção e controle da doença durante todo o ano, e não apenas na época de maior incidência. Além do trabalho diário, em que agentes vistoriam imóveis em todo o município, localizando e exterminando possíveis focos do mosquito, aplicando larvicidas quando necessário, orientando moradores e distribuindo panfletos educativos, são realizados mutirões todos os sábados”.

Itaboraí 

A cidade de Itaboraí registrou, de janeiro até o dia 10 de maio, 28 casos notificados de arboviroses, entre dengue, zika e chikungunya. Destes, 25 casos foram descartados e apenas três foram confirmados, sendo todos para chikungunya.

Veja algumas medidas de combate ao mosquito aedes aegypti:

Não deixe água parada;

Mantenha as calhas limpas;

Não acumule água em vasos de plantas;

Guarde garrafas e baldes virados para baixo;

Coloque telas nos ralos;

Mantenha caixas d’água tapadas;

Guarde pneus em local coberto;

Troque diariamente a água de bebedouros de animais;

Mantenha sacos de lixo bem fechados;

Não deixe acumular água na caixa do ar-condicionado.

*Sob supervisão de Cyntia Fonseca



Fonte: O São Gonçalo