Moradores de Nova Iguaçu protestam contra mudanças no trânsito da cidade

0
21


Moradores dos bairros Santa Eugênia e Chacrinha, em Nova Iguaçu, estão insatisfeitos com mudanças de trânsito no Centro do município da Baixada Fluminense, que segundo eles teriam jogado todo o tráfego da região, para ruas residenciais desses bairros. A alteração, iniciada no último fim de semana já provocou três protestos de moradores, que prometem mais manifestações até a prefeitura da cidade voltar atrás e retomar o traçado original. O protesto mais recente ocorreu na noite desta quinta-feira.

A mudança ocorreu na Avenida Governador Roberto Silveira, que passou a ter sentido único em um trecho de aproximadamente 260 metros de extensão entre as Rua Manoel Pereira Oliveira e Vereador Luís Carlos de Freitas. Com isso, veículos que vem de bairros como a Posse, Miguel Couto ou mesmo da Rodovia Presidente Dutra, passaram a acessar essas duas ruas, assim como a General Rondon. De acordo com moradores, as vias não estavam estruturadas para receber o volume de tráfego, o que ocasionou pequenos acidentes.

Morador da Rua Manoel Pereira de Almeida, o analista de sistemas Jorge Alberto Santos da Silva, de 46 anos, teve o relógio de luz arrancado por um caminhão que passou em alta velocidade a arrebentou parte da fiação, deixando sua residência sem luz. Morador há 15 anos da região, com a esposa Luana Rodrigues e dois filhos, ele contou que a rua, antes residencial era calma e crianças podiam brincar sem maiores preocupações, mas agora o barulho do tráfego acabou com toda tranquilidade da região.

– Essa rua não é preparada para receber esse volume de tráfego. A fiação é baixa, as calçadas são curtas, com os portões sendo próximos ao asfalto. Antes as crianças podiam brincar, correr pela rua, agora mal podemos atravessar. E com o trânsito veio todo barulho de tráfego que nunca tivemos aqui. Agora a tranquilidade de ficar em casa vendo uma televisão ou curtindo a família acabou por que é carro acelerando, freada, buzina o dia inteiro – disse.

Moradores fazem protesto na noite desta quinta-feira
Moradores fazem protesto na noite desta quinta-feira Foto: Reprodução

Moradores do Conjunto Habitacional Roberto Silveira, que organizaram as manifestações e prometem outras, reclamam que os carros que agora passam pelo local não respeitam o único sinal de trânsito colocado na esquina com a Rua Orquídeas e que o mesmo foi mal instalado, pois deveria ter sido colocado na esquina com a Rua Coronel João de Alvarenga Cintra, onde fica a Escola Municipal Marechal Mascarenhas de Morais, para beneficiar os estudantes que precisam atravessar todo dia no local.

– Isso foi tão mal planejado que o sinal está colocado em uma esquina totalmente sem sentido. Na esquina da Orquídeas não tem nada, só o valão. Ele é tão sem sentido que nenhum motorista para e todo mundo avança. Se fosse perto da escola, teria sentido, pois centenas de crianças atravessam ali pois moram nos prédios. Isso é uma tragédia anunciada. Quando morrer uma criança, um idoso atropelado aí a prefeitura vem com desculpa de que vai rever, só que será tarde demais – disse o motorista de aplicativo Rafael Faria.

Em nota, a Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade Urbana de Nova Iguaçu informou que avalia, até o momento, como positivas as alterações no trânsito dos bairros Chacrinha e Santa Eugenia. De acordo com o órgão, as mudanças foram divulgadas à população e comerciantes locais durante o mês de abril, com a distribuição de cinco mil panfletos, e foram implementadas no dia 15 de maio, uma semana após a data prevista inicialmente. Ainda segundo a nota, algumas solicitações feitas pela população foram atendidas, entre elas a proibição da circulação de caminhões pela Rua Manoel Pereira Oliveira.

– Além das mudanças de sentido das vias, estamos fazendo instalação de placas de sinalização e semáforos, pintura de faixas de pedestres e quebra-molas e mantendo agentes de trânsito 24 horas por dia para darmos toda a segurança viária não só aos motoristas, mas também aos moradores daquela região – disse o secretário da SEMTMU Leonardo Bastos Callijão.





Fonte: G1