Itaboraí vai ganhar duas novas unidades CRAS

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp



O prefeito Marcelo Delaroli e o secretário municipal de Desenvolvimento Social, Marcos Araújo, receberam, nesta terça-feira (25), no gabinete, a superintendente executiva da Caixa Econômica Federal, Waleska Oliveira Ferreira, junto com gerentes do banco para assinatura de um convênio que irá construir duas novas unidades do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). Os novos CRAS beneficiarão cerca de 500 famílias por ano em cada unidade dos bairros da Reta e Manilha. O início das obras está previsto ainda para este primeiro semestre de 2022.

“Mais um dia de vitória para Itaboraí. Serão dois novos CRAS em nossa cidade, um em Manilha e o outro para atender os moradores do programa habitacional Casa Verde Amarela, na Reta.  Eles vão beneficiar mais 500 famílias anualmente. O CRAS é o local onde a população tem a porta de entrada para a adesão em programas sociais importantes.  Saber que a vida de quem mais precisa vai mudar pra melhor é acreditar que estamos no caminho certo” disse o prefeito.

Em Itaboraí, há sete unidades do CRAS: Apollo, Reta, Cabuçu, Ampliação, Itambi, Visconde e Jardim Imperial. O horário de atendimento em todos os locais é de segunda a sexta-feira, 8h às 17h.

“Com as novas unidades CRAS, vamos conseguir levar os serviços prestados para mais regiões de todo o município. Identificamos que muitas vezes, os moradores não têm o dinheiro da passagem para ir até uma das sete unidades em funcionamento, por isso a importância de se abrir novas unidades nessas duas regiões: Reta e Manilha. Itaboraí tem gestão plena nos critérios do Sistema Único de Assistência Social, com a oferta dos serviços socioassistenciais de proteção social básica e especial de média e alta complexidade ”, afirmou o secretário municipal de Desenvolvimento Social, Marcos Araújo.

Nas unidades do CRAS, é prestado serviço de atendimento socioassistencial para família, criança, adolescente, idosos, adultos e mulheres que se encontram em situação de vulnerabilidade social, causada pela pobreza, privação e/ou fragilização de vínculos afetivos, de relacionamento familiar ou comunitário, e de pertencimento social.

Os serviços prestados incluem ações preventivas de convivência e socialização, capacitação e inserção produtiva, apoio e acompanhamento familiar. Todas as famílias são cadastradas no Cadastro Único de Programas Sociais.



Fonte: O São Gonçalo