FGV Social lança pesquisa sobre insegurança alimentar

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

As dificuldades alimentares enfrentadas pelos brasileiros, nos últimos 12 meses, cresceu constantemente no país, segundo pesquisas. Em levantamento realizado, a parcela que não teve dinheiro para alimentar a si ou a sua família em algum momento subiu de 30% em 2019 para 36% em 2021, atingindo novo recorde da série iniciada em 2006.

O aumento da insegurança alimentar entre os 20% mais pobres no Brasil durante a pandemia foi de 22 pontos percentuais, saindo de 53% em 2019 chegando a 75% em 2021, nível próximo do país com maior insegurança alimentar da amostra Zimbawe (80%). Já os 20% mais ricos, experimentaram queda de insegurança alimentar de três pontos percentuais (indo de 10% para 7%, pouco acima da Suécia (5%) o país com menos insegurança alimentar).

Uma crescente e marcada assimetria de insegurança alimentar entre homens e mulheres, é observada por especialistas no Brasil. De 2019 a 2021, houve aumento de 14 pontos percentuais entre as mulheres e queda de 1 ponto percentual para homens. Como resultado, a diferença entre gêneros da insegurança alimentar em 2021 é 6 vezes maior no Brasil do que na média global.

Fonte: O São Gonçalo