Defesa Civil RJ monitora condições meteorológicas do estado



A Defesa Civil Estadual (Sedec-RJ) e o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) estão mobilizados para prevenir e minimizar danos causados pelas chuvas que atingem o território fluminense desde quinta-feira (06.01). 

Agentes do Centro Estadual de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden-RJ) monitoram as condições meteorológicas e os níveis pluviométricos em todo o estado, enviando alertas para as regiões com riscos de eventos geológicos ou hidrológicos.

A Sedec-RJ mantém contato permanente com as Prefeituras e as Defesas Civis municipais, para orientar e prestar apoio caso as ocorrências extrapolem a capacidade de resposta dos municípios.Nas últimas 24 horas, o CBMERJ foi acionada para mais de 70 ocorrências relacionadas às chuvas no estado, a maioria de cortes de árvores e salvamentos de pessoas.

Informativo Cemaden-RJ

A atuação de uma Zona de Convergência do Atlântico Sul ocasionou chuva forte no estado do Rio de Janeiro durante a sexta-feira (07/01). Na madrugada e início da manhã de hoje (08/01), houve registro de chuva fraca a moderada, de forma isolada.

Os maiores acumulados de chuva nas últimas 24h foram nas estações em Petrópolis e Duque de Caxias com 214 mm e 124,8 mm respectivamente.As rajadas de vento atingiram 70,2 km/h na estação Pico do Couto (INMET) e 47,2 km/h na estação Rio de Janeiro – Forte de Copacabana (INMET).

Para as próximas horas, há previsão de chuva fraca a moderada, com possibilidade de pancadas de chuva forte, de forma rápida e isolada, em todas regiões do estado.Alerta HidrológicoO Centro Estadual de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais do Rio de Janeiro informa, que devido aos acumulados pluviométricos registrados na bacia hidrográfica do rio Muriaé, ao longo das últimas 24h, o Rio Muriaé atingiu sua cota de transbordo de 500 cm na estação Patrocínio do Muriaé, localizada no município de Patrocínio do Muriaé (MG), o que impacta diretamente na região Noroeste do estado do Rio de Janeiro.

Podem ser registradas ocorrências de pontos de alagamentos, há alta possibilidade de enxurradas e de inundações, atingindo comunidades em áreas de risco hidrológico e/ou isolamento de bairros/comunidades em cotas mais baixas.Os municípios de Laje do Muriaé e Itaperuna são os mais propensos a serem atingidos pela onda de cheia. No entanto, os municípios de São José do Ubá, Miracema, Italva, São Fidélis e Cardoso Moreira requerem atenção.



Fonte: O São Gonçalo