Comerciante se assusta após conta de luz pular de R$ 1 mil para R$ 12 mil

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Mais um empresário de São Gonçalo está se sentindo lesado após receber quantias absurdas de conta de luz. Robson Rodrigues Cato é um empresário que possui um estabelecimento na Rua Francisco Portela, no bairro do Camarão, em São Gonçalo. Desde sempre sua conta de luz mensal da empresa ficava na média dos R$ 2 mil (em épocas de verão por causa do ar condicionado) e R$ 1.000 ou até menos em outras épocas. No entanto, em julho de 2021, ele tomou um susto ao ver que a sua fatura veio no valor de R$ 5.146,54. Logo, ele entrou na justiça para poder conseguir uma vistoria da Enel, mas a situação piorou a tal ponto que a última conta dele, do mês de março, chegou com a cobrança de R$ 12.058,59. 

O empresário está nessa situação há quase um ano e, mesmo assim, não obteve respostas. “Eu fui lá na Enel, fiz reclamação, mas eles me dão um chá de cadeira. Falaram que ia mandar eletricista para verificar o meu estabelecimento, mas eu nunca vi ninguém aqui. Falaram que o eletricista veio e tá tudo certo, mas como está certo se o meu consumo se manteve o mesmo, mas a luz vem mais cara? Eu não comprei ar condicionado nem nada a mais. Tive que entrar na Justiça para que a minha luz não fosse cortada e, até então, o juiz decidiu que eu devo pagar R$ 2.300 por mês para a Enel e eles não podem deixar de fornecer o serviço, mas minha conta ainda vem alta. Esse mês veio mais de R$ 12 mil. Mesmo economizando, a situação só piora”, afirmou ele.


Leia mais

Gonçalense se assusta após receber conta de luz de mais de R$ 10 mil

Com casa fechada, gonçalense recebe conta de energia de R$ 726 : “Estou desesperado!”


A única coisa que o empresário de 53 anos quer da empresa é que alguém faça uma vistoria no local para verificar esse aumento no valor da conta. “Já vai fazer um ano e eu continuo sem retorno, nem uma explicação plausível me deram. Eu me sinto constrangido com isso tudo, é uma situação difícil. Eu acho um descaso o tratamento que eles me deram, já reclamei, já falei com eles, já fui na empresa e nada foi resolvido. Já é difícil pagar as contas nos dias de hoje, imagina com cobranças desse tipo que não condizem com a realidade dos meus gastos”, disse.

 



O empresário está nessa situação há quase um ano



O empresário está nessa situação há quase um ano | Foto: Arquivo pessoal





 

Um outro caso

Em São Gonçalo, um outro morador também tem passado por uma situação complicada com a Enel. O técnico em segurança eletrônica Ronaldo Alves, de 54 anos, realizou um empréstimo com uma empresa parceira da Enel em novembro do ano passado. As faturas para o pagamento da dívida passaram a ser cobradas na fatura da conta de luz dele. Em fevereiro, ele solicitou com a empresa um boleto de quitação total do empréstimo e o pagou. Em seguida, ele solicitou que a Enel fizesse um refaturamento para excluir o valor das parcelas do empréstimo da fatura da luz, já que a dívida já havia sido quitada. O que não foi feito. 

“Eu paguei todas as parcelas do empréstimo em fevereiro no dia 16. A empresa parceira da Enel afirmou que, a partir daí, eu deveria ligar para a Enel para solicitar que as parcelas do empréstimo não viessem mais na minha conta de luz, pois estavam quitadas. Fiz isso e a Enel me deu o prazo para a resolução da situação até o dia 05 de março, só que a minha fatura de fevereiro veio com uma das parcelas do empréstimo ainda e eu não vou pagar. Só que sem pagar, eles estão ameaçando cortar a minha luz. Já liguei, já reclamei, mas nada resolveu”, afirmou ele que já abriu inúmeros protocolos com a empresa fornecedora de energia elétrica.

O morador do bairro de Santa Catarina já esteve na agência cerca de 4 vezes para reclamar do caso, além de tentar contato com a empresa por telefone. 

Em resposta, a Enel informou que “com relação ao cliente Ronaldo Alves, a Enel Distribuição Rio informa que vai disponibilizar uma nova fatura ao cliente com os valores corrigidos. Com relação ao cliente Robson Rodrigues Cato, a empresa esclarece que está averiguando o caso e vai tomar as medidas necessárias caso identifique alguma inconsistência na leitura de consumo”.



Fonte: O São Gonçalo