Cidade do Rio registra recorde de frio do ano, com 11,5 graus na madrugada desta quinta-feira

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

O céu com poucas nuvens e o sol desde cedo pode enganar os cariocas sobre a volta das altas temperaturas nesta quinta-feira (19). A cidade registrou recorde de ano nessa madrugada, com 11,5 graus na Vila Militar, na Zona Oeste da capital, às 4h, na estação do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O frio foi intenso ainda em outros pontos do estado fluminense, com destaque para o Parque Nacional de Itatiaia, com a temperatura que desceu para 2,4 graus negativos durante a madrugada, e sensação térmica ainda menor, de 10,4 graus negativos.

Saiba como doar: Onda de frio mobiliza ONGs e antecipa campanhas do agasalho

Já entre as estações do sistema Alerta Rio, da prefeitura, a menor temperatura foi de 14,4 graus, no Alto da Boa Vista, na Zona Norte do Rio, às 3h15.

Apenas São Paulo não bateu recorde de frio nesta madrugada entre as capitais da região sudeste. A queda nos termômetros é efeito da passagem de uma massa de ar polar, que vem de longe, da Argentina, e ainda consegue ter efeito em parte do Brasil, como na região centro-oeste.

Além de investir no casaco, é preciso ficar atento com os ventos que devem variar de moderados a fortes. E é melhor deixar o banho de mar para outro momento. A Marinha emitiu alerta de ressaca, válido até as 21h dessa sexta (20), devido às fortes ondas que podem chegar a 4 metros na cidade. O deslocamento do ciclone Yakecan pela costa brasileira, que ajudou a derrubar as temperaturas principalmente no sul do país, em direção ao litoral, deve provocar ventos intensos no litoral.

Ondas no litoral da cidade do Rio podem chegar a 4 metros. Marinha emitiu aviso de ressaca Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo

A tendência para o Rio nos próximos dias é de mínimas ainda bem baixas, mas não deve haver novos recordes, segundo o Climatempo, diz a meteorologista Carine Gama, sobre a capital:

— Amanhã (sexta-feira), a mínima será de 13 graus a 14 graus e máxima de 22 graus, assim como hoje. No sábado começa a melhorar, com temperaturas mais amenas, mais ainda baixas. A tendência é de alta para os próximos dias.

Ainda assim, a previsão é de que as mínimas na cidade do Rio fiquem abaixo dos 19 graus até o dia 27. As máximas também não devem ultrapassar os 25 graus.

O aumento gradual das temperaturas se dará devido afastamento gradual da massa de ar polar do continente, se deslocando em direção ao oceano nos próximos dias.

— Quando tivemos a passagem da frente fria em que teve registro de granizo, atrás dela entrou essa massa de ar polar, como acontece. Assa massa, com centro formado no norte da Argentina, próximo ao Uruguai, tem a amplitude muito intensa, chegando a vários estados do Brasil e ocasionando recorde de temperatura no centro-oeste e no sudeste. A consequência dessa massa de ar ainda continua, mas sem previsão de novos recordes, mantendo em torno de 12 graus. O frio perde força quando ela começa a caminhar em direção ao oceano, mais próximo do fim de semana — explica a meteorologista Carine Gama.

A madrugada teve registros ainda mais baixos em outros pontos do estado fluminense. Termômetros abaixo de zero, segundo estações do Inmet, apenas Itatiaia, no parque nacional, com 2,4 graus negativos e sensação térmica de 10,7 graus negativos. Em seguida foi o Pico do Couto, na divisa de Petrópolis e Miguel Pereira, com 1,8 graus. Teresópolis e Três Rios tiveram 6,5 graus e Carmo marcou a mínima de 6,7 graus.

Aviso de ressaca

A Marinha emitiu alerta de ressaca para o litoral carioca, com chance de ondas de 2,5 metros a 4 metros até as 21h de amanhã, sexta-feira, dia 20. A Prefeitura do Rio está monitorando o nível da Lagoa Rodrigo de Freitas durante esse período. Ocorreu extravasamento em dois pontos: na altura do Parque dos Patins e do Corte de Cantagalo, afetando alguns trechos da ciclovia. Equipes da prefeitura fizeram uma ação de desassoreamento preventivo no canal do Jardim de Alah, na quarta-feira (18), para minimizar os possíveis impactos.



Fonte: G1