Carnaval 2022: saiba como serão os desfiles do Grupo Especial e da Série Ouro!

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp



Os fãs de Carnaval já se preparam para acompanhar as escolas de samba na Sapucaí no final deste mês. Nos dias 22 e 23 irão desfilar as escolas do Grupo Especial, incluindo a Viradouro, escola de Niterói e que foi campeã de 2022. Já nos dias 20 e 21 de abril irão desfilar as escolas da Série Ouro do Carnaval 2022, que buscam uma vaga no Grupo Especial no ano seguinte. Como preparativo para o evento, O SÃO GONÇALO resolveu fazer uma lista com a ordem das escolas que irão desfilar. Muitos sambas-enredo fazem homenagens a grandes nomes do samba e do Carnaval, ou falam de negritude ou de temas das religiões africanas.

Grupo Especial

Sexta-feira (22)

Na sexta-feira (22), o desfile começa às 22 com a Imperatriz Leopoldinense. A escola retornou ao Grupo Especial neste ano depois de conseguir o primeiro lugar nos Grupos da Série Ouro. Neste ano, o samba enredo da escola será “Meninos eu vivi… Onde canta o sabiá, Onde cantam Dalva & Lamartine” e irá falar sobre o carnavalesco Arlindo Rodrigues, que fez história na escola junto do presidente Luizinho Drummond, dentre outros nomes. 

Depois da Imperatriz, irá desfilar a Estação Primeira de Mangueira, que no ano passado ficou em 6° lugar com o enredo “A Verdade Vos Fará Livre”. A escola também homenageará grandes nomes que a impactaram em seu samba deste ano. Em seu samba-enredo “Angenor, José & Laurindo”, a escola falará de ícones da Mangueira que são Angenor (o cantor e compositor conhecido como Cartola), o cantor José Bispo Clementino dos Santos (o Jamelão) e Hélio Laurindo (o mestre-sala Delegado). Todos eles foram importantes nomes para a escola. Cartola morreu em 1980, Jamelão em 2008 e Delegado em 2012. 

Depois disso, temos a Acadêmicos de São Clemente com samba “Resistência”, que falará sobre resistência negra em sua letra, além de destacar os lugares do Rio que foram marcantes para que a negritude resistisse em meio aos ataques que sofreu durante os anos. A escola ficou em 5° lugar no ano de 2020, com o samba “O Rei Negro do Picadeiro”. 

A São Clemente será a quarta escola a desfilar no primeiro dia e seu samba homenageará o humorista Paulo Gustavo, que morreu de Covid-19 em 2021, aos 42 anos. Paulo foi nascido e criado em Niterói e é conhecido por filmes como ‘Minha Mãe É Uma Peça’, ‘Os Homens São de Marte… E É Pra Lá Que Eu Vou…’ e por participar de séries como ‘220 Volts’ e ‘Vai Que Cola’, dentre outros. O samba-enredo da escola se chamará “Minha vida é uma peça”. Em 2020, a São Clemente ficou em 10° lugar na avenida.

A grande campeã de 2020, a Viradouro, de Niterói, será a quinta a desfilar no primeiro dia. Com o enredo “Não há tristeza que possa suportar tanta alegria”, que fala sobre o carnaval após a gripe espanhola de 1919, a escola fará um paralelo com o carnaval deste ano. Em 1919, o carnaval também teve que ser interrompido por causa da doença, assim como em 2021 com a Covid-19. No ano de 2020, a Viradouro do Barreto cantou o enredo “Viradouro de Alma Lavada” e contou com customizações e harmonias que foram de tirar o fôlego. 

A Beija-Flor de Nilópolis fecha a primeira noite com um samba que também vai falar sobre a negritude, mais especificamente sobre a história contada pela ótica dos negros e mostrando seus personagens, diferente de algumas versões contadas por aí, que privilegiam o povo branco. Neguinho da Beija-Flor deverá cantar o samba-enredo “Empretecer o pensamento é ouvir da voz da Beija-Flor” por volta das 3h. Em 2020, a escola ficou em 4° lugar na avaliação do Grupo Especial.

Sábado (23)

A Paraíso do Tuiuti é a primeira escola a desfilar no sábado. Ela começa sua apresentação às 22h e vai apresentar o samba “Ka ríba tí ÿe — Que nossos caminhos se abram”, que fala também sobre ícones negros na história, mostrando a força do povo e sua resistência. No ano passado, a escola ficou em 11° lugar no Grupo Especial e eles quase acabaram perdendo a vaga e voltando para o Grupo Série Ouro.

Em seguida, a Portela abre caminho na avenida para o seu desfile. Em “Igi Osè – Baobá”, a escola irá falar um pouco sobre um símbolo que teve origem com os povos africanos: o baobá. Esta seria uma árvore da vida, que fala sobre a resistência e a ancestralidade dos povos africanos. Ela seria uma espécie de portal que liga o pessoal do mundo humano com o mundo sagrado. Em 2020, a Portela ficou em 7° lugar na avaliação do Grupo Especial na avenida.

Por volta da meia-noite, é a vez da Mocidade Independente de Padre Miguel assumir a avenida com o samba “Batuque ao Caçador”, que contará um pouco da história do orixá Oxóssi, que vivia na mata, caçando com seu arco e flecha. No ano de 2020, a escola ficou em 3° lugar com um samba que falava da ícone da música brasileira, Elza Soares.

Em seguida, a Unidos da Tijuca marcará presença com o samba-enredo “Waranã – A reexistência vermelha”, falando sobre o guaraná, destacando a história do povo da floresta e a lenda de que o guaraná seria os olhos de um pequeno índio que foi morto após ser picado por uma cobra, que seria o deus da escuridão Jurupari, que tinha inveja da criança. O menininho estaria caçando alguns frutos nas árvores da floresta quando ocorreu a situação. Ele ter virado o guaraná foi uma forma de homenagem do deus Tupã para o garoto e sua família. Em 2020, com o samba-enredo que fala sobre sonhos, a escola ficou em nono lugar. 

A Grande Rio, que ficou em 2° lugar em 2020, será a quinta escola a desfilar na avenida no segundo dia. Com o samba-enredo “Fala, Majeté! As sete chaves de Exu”, falam sobre Exu. O orixá é interpreta de forma negativa por algumas pessoas, mas muita gente da religião africana é fiel a ele e grata, entendendo que ele tem sua força e também guia com sabedoria os caminhos das pessoas. No último Carnaval eles falaram sobre “Tata Londirá – O Canto do Caboclo no Quilombo de Caxias”. 

A última escola a desfilar será a Unidos de Vila Isabel, com o samba-enredo “Canta, canta minha gente! A Vila é de Martinho!”, homenageando Martinho da Vila. Ele é um dos grandes nomes do samba e de Vila Isabel. No ano anterior de Carnaval, a escola ficou em 8° lugar. 

Em 2020, as escolas Estácio de Sá e União da Ilha do Governador perderam na classificação do Grupo Especial e caíram para o grupo da Série Ouro.

Série Ouro

Quarta-feira (20)

A primeira escola que irá desfilar no Grupo Série Ouro do Carnaval carioca é a escola Em Cima da Hora, que trará o samba-enredo ” 33 Destino Dom Pedro II”, falando um pouco sobre a vida do trabalhador no trem, indo trabalhar.

A segunda escola do primeiro dia será a Acadêmicos do Cubango, escola de Niterói. Com o enredo “O Amor Preto Cura: Chica Xavier – a Mãe Baiana do Brasil”, a escola busca falar sobre a atriz que ganhou diversos palcos no Rio de Janeiro. Chica também era mãe de santo.

A Unidos da Ponte desfilará logo após a Cubango. O enredo da escola deste ano será a “Santa Dulce dos Pobres – O Anjo Bom da Bahia”, homenageando a freira baiana que foi beatificada pelo Papa Bento XVI em 2011.  

A Unidos do Porto da Pedra, escola de São Gonçalo, será a quarta a desfilar na avenida neste dia. Com o enredo “O Caçador que traz Alegrias”, a ideia é homenagear a yalorixá Mãe Stella de Oxóssi.

Depois, a União da Ilha do Governador assuma a avenida e cantará o samba-enredo “O Vendedor de Orações”, que exaltará a fé por Nossa Senhora Aparecida.

A Unidos de Bangu vem em seguida com o samba “Deu Castor na cabeça”, haverá um pouco da história do bairro Bangu, do Bangu Atlético Clube e do bicheiro Castor de Andrade. 

A última escola do primeiro dia da Série Ouro será a Acadêmicos do Sossego, também de Niterói, e levará o enredo “Visões Xamânicas” para a avenida. Na música, a escola trará profecias dos índios sobre o fim do mundo por causa da falta de cuidado dos humanos com o planeta.

Quinta-feira (21)

A primeira escola deste dia será a Lins Imperial, com o samba “Mussum pra sempris – traga o mé que hoje com a Lins vai ter muito samba no pé!”, homenageando o humorista Mussum, que nasceu na comunidade. Ele fez história por todo o país e fez para dos Trapalhões. 

Depois, virá a Inocentes de Belford Roxo, que trará o samba “A Meia-Noite dos Tambores Silenciosos”, uma festa que ocorre durante o Carnaval, em Pernambuco há mais de 50 anos. 

A Estácio de Sá vem em sequência com o samba “Cobra Coral, Papagaio Vintém, Vesti Rubro-Negro, Não Tem pra Ninguém”, que reedita um samba de 1995 da escola e faz uma homenagem ao Flamengo.

Depois vem a escola Acadêmicos de Santa Cruz, com o samba “Axé! Milton Gonçalves no Catupé da Santa Cruz”, que homenageia o ator e diretor Milton Gonçalves. Ele estará no desfile e poderá ajudar a contar sua história na avenida.

Em seguida, a escola de samba Unidos de Padre Miguel entrará com o samba “Iroko – É Tempo de Xirê”, fazendo referência ao orixá do tempo nas religiões de origem africana. 

A Acadêmicos de Vigário Geral vem em seguida com o samba “Pequena África: Da Escravidão ao Pertencimento – Camadas de Memórias entre o Mar e o Morro”, falando um pouco da chegada do povo africano no Rio de Janeiro.

Depois vem a Império da Tijuca com o samba “Samba Quilombo. A Resistência pela Raiz”, falando da escola de samba denominada ‘Quilombo’ que foi fundada nos anos 70 como uma forma de resistência negra durante a época do Carnaval no Rio de Janeiro.

Ao final, virá a escola Império Serrano, encerrando o grupo de Ouro com o samba “Mangangá”, que fala sobre o Besouro Mangangá, um capoeirista baiano que resistiu aos problemas enfrentados pelos negros após a abolição da escravatura. Segundo a lenda, ele pode ficar invisível na frente dos rivais e se tornava besouro quando precisava. 



Fonte: O São Gonçalo