Anvisa libera venda de mais três produtos à base de cannabis em farmácias

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp



A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já autorizou
a importação e a venda de mais três produtos com base de cannabis, em farmácias
e drogarias no Brasil. A decisão veio através de uma publicação do Diário Oficial
da União (DOU) na última segunda-feira.

Os novos integrantes listados são Canabidiol Belcher 150
mg/mL, Canabidiol Aura Pharma 50 mg/mL e Canabidiol Greencare 23,75 mg/mL, os
dois primeiros serão fabricados na Suíça e o último na Colômbia.

Os três produtos são vendidos nas concentrações de acordo
com a aprovação e com até 0,2% de tetrahidrocanabinol (THC). Será necessário apresentar
uma receita médica do tipo B (azul). A maconha medicinal poderá ampliar o rol
de tratamentos para as doenças como a esclerose múltipla, ansiedade, depressão
e fibromialgia.

Com esta nova medida, o número de produtos aprovados a base
de maconha, sobe para 14, além de um medicamento. Apesar das novas liberações,
o uso da cannabis medicinal ainda possui dificuldades. Um pouco mais de dois
anos depois da liberação da Anvisa, para vender em farmácias os medicamentos à
base cannabis, porém rejeitar o cultivo em casa para os fins medicinais.

Vale lembrar que, o debate para o uso da cannabis medicinal
começou em 2015, quando a Anvisa liberou a prescrição de produtos e de
medicamentos que continham o tetrahidrocanabinol (THC) (que passou a ser parte
do regulamento), de uma maneira isolada ou junto com o CBD. Logo depois, a medida
permitiu o THC como base do produto. Em 2017, foi liberado para o uso de tratamentos
para espasmos prolongados, devido a esclerose múltipla. Já em 2019, outro
debate foi criado, devido a duas propostas com a Anvisa, que visava buscar uma
autorização para o plantio para fins medicinais e científico e a outra para
registro de medicamentos à base da planta.

A segunda proposta venceu, depois de
uma votação unânime. A primeira proposta foi arquivada. 



Fonte: O São Gonçalo