Wladimir Garotinho cobra campistas e alerta para explosão de casos com novas variantes | Norte Fluminense

0
12


As autoridades campistas deram o alerta. A aparente tranquilidade na cidade com relação à pandemia é apenas isso, aparente. A explosão de casos confirmados da variante brasileira do coronavírus pelo país forçou diversos estados e municípios a decretarem lockdown total. Com cerca de 40% de ocupação de leitos de UTI e 43% de leitos clínicos, Campos, no Norte Fluminense, tem conseguido evitar a adoção do estágio mais severo de restrições para conter o espalhamento do vírus letal. Mas tal situação não deve perdurar.

O prefeito Wladimir Garotinho foi às redes sociais no sábado, avisar à população de que a cidade não vai conseguir se manter isolada do surto de variantes que levou o Brasil ao pior momento da pandemia, um ano depois de seu início. Wladimir conclamou cada um a contribuir com o esforço de preservação de vidas e disse, em resposta a um internauta que o criticou por liberar a abertura de cinemas na semana passada, que todos vão pagar a conta do desrespeito às regras de isolamento.

“A pandemia é um pesadelo real! O Ministério da Saúde estima 3 mil mortes dia no Brasil! Em Campos, o CCC está recebendo sobrecarga em ritmo acelerado! Liberações/restrições são ajustadas semanalmente, para equilibrar saúde e economia. Faça sua parte, não adianta reclamar depois!”, publicou o prefeito, em sua conta no Twitter.

Prefeito de Campos, Wladimir Garotinho alerta em tuíte para o risco de precisar apertar as restrições contra o coronavírus — Foto: Reprodução internet

Em seu site oficial, a prefeitura também publicou um texto no fim da noite de sábado que indica que um endurecimento das medidas restritivas está no horizonte. O texto destaca os recordes nas mortes diárias pela covid no país na semana passada, que se aproximam das 2 mil vidas perdidas por dia.

“Atualmente, em mais de 17 estados do país e o distrito Federal, os leitos ocupados de UTI já superam 80% e 100%. Em alguns locais, já há casos de pessoas morrendo à espera de um leito. O colapso da saúde ocorre porque muitas pessoas não estão respeitando as medidas sanitárias, ou seja, estão em aglomerações, falta de distanciamento e não estão usando máscaras faciais, além de não respeitar as medidas sanitárias”, diz a nota.

Até sábado, no último balanço divulgado pela prefeitura, Campos tinha 21616 casos confirmados, e 763 mortos pela covid. A ocupação de leitos de UTI estava em 40,17%, e a de leitos clínicos, em 42,96%. Até sexta, o total de vacinados no município era de 19749.



Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui