Prefeitura do Rio cria coordenadoria para abrigar 134 comissionados | Rio de Janeiro

A Prefeitura do Rio criou, nesta segunda-feira (5), uma coordenadoria com 134 cargos comissionados. É a Coordenadoria Geral de Articulação Social. As funções do setor são praticamente as mesmas das subprefeituras e das 61 gerências executivas que já existem, com centenas de cargos comissionados.

Parte deles, o RJ1 mostrou que eram de supostos funcionários fantasmas ligados ao PSD.

O Núcleo de Articulação Social virou a Coordenadoria Geral de Articulação Social, subordinada ao gabinete do prefeito Eduardo Paes. O setor tem a função de acompanhar programas de políticas públicas e projetos de interesse do município.

Abaixo da coordenadoria geral, oito núcleos de articulação dividem a cidade:

  1. Barra da Tijuca
  2. Grande Tijuca
  3. Zona Norte
  4. Zona Sul
  5. Ilhas
  6. Zona Oeste
  7. Centro
  8. Jacarepaguá

Segundo o decreto da prefeitura, os núcleos de articulação social têm a função de promover o alinhamento entre a demanda popular e a construção técnica de políticas públicas. Existe, ainda, um nono núcleo, o de Apoio Administrativo.

A nova estrutura tem 134 cargos. O texto não detalha os papéis dos nomeados, o local ou horário de trabalho deles.

No início do mês, o RJ1 mostrou que o Núcleo de Articulação Social tinha supostos funcionários fantasmas.

O Ministério Público passou a investigar nomeações ligadas a seis candidatos do PSD-RJ nessas eleições.

  • Cláudia Lovain, candidata a deputada federal
  • Dedinho, candidato a deputado federal
  • Gilda Beatriz, candidata a deputada estadual
  • Hugo Leal, candidato a deputado federal
  • Caio Vianna, candidato a deputado federal
  • Zé Augusto Nalin, candidato a deputado estadual

Seis candidaturas do PSD no Rio nessas eleições estão ligadas a funcionários que passam o expediente longe da prefeitura, de acordo com o MPRJ — Foto: Reprodução/ TV Globo

O município exonerou 12 pessoas desde a primeira reportagem, incluindo um empresário de Nilópolis, funcionários e parentes dele; um aposentado de Magé, o dono de uma peixaria e uma boleira de Petrópolis.

E mais três mulheres foram exoneradas nesta segunda-feira (5), como Renata Albernaz Duarte, que mora em Campos. Ela é cunhada de Caio Vianna, candidato a deputado federal pelo PSD.

Renata foi flagrada saindo da empresa dos pais num dia de semana. Recebia R$ 19 mil da prefeitura.

Sandra de Souza Monteiro também ganhava R$ 19 mil e dava expediente na campanha da coronel Claudia Lovain (PSD) à Câmara Federal.

Nadjara de Souza Monteiro é filha de Sandra. Ela se diz vidente e dá consultas presenciais e remotas.

Somados, os salários dos supostos fantasmas passaram de R$ 200 mil em julho.

O RJ2 não conseguiu contato com os citados na reportagem.

Fonte: Portal G1