Médicos da UPA em Campos, RJ, paralisam atendimentos ambulatoriais em protesto por atrasos no salário | Norte Fluminense

0
17


Médicos da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, paralisam os atendimentos ambulatoriais, neste sábado (23), em protesto por atrasos no pagamento do salário.

De acordo com a categoria, o salário de setembro ainda não foi pago pela Organização Social (OS) Instituto dos Lagos Rio, responsável pelo repasse dos valores. Ainda de acordo com os profissionais, o problema não é de agora.

“Mê̂s a mês, passou o corpo clínico a fazer uma via crúcis para receber sua remuneração mensal. Sendo decorrido 4 anos desta via crúcis”, informou a categoria em nota.

A paralisação dos atendimentos ambulatoriais começou às 7h deste sábado (23) e vai durar 24h.

Ainda de acordo com os manifestantes, somente a classificação de risco verde está sendo orientada a procurar outra unidade primária de Saúde do município. As classificações de risco amarela e a vermelha seguem sendo atendidas normalmente, informou.

Neste sábado, os médicos divulgaram uma carta de esclarecimento para a população sobre o caso.

“Tudo isso está acontecendo contra a vontade dos médicos, mas se faz necessário para chamar a atenção dos responsáveis, para que se sensibilizem com o sofrimento do corpo clínico e da população em geral. Pedimos desculpas para a população pelo transtorno, comunicamos que desejamos que a mobilização seja logo encerrada e, ao mesmo tempo, requeremos às autoridades responsáveis o pagamento dos médicos que se encontram desde o mês de Setembro/ 2021 sem receber seus vencimentos. Regularizem esta situação o mais breve possível”, declararam em nota.

De acordo com o Sindicato dos Médicos de Campos (Simec), o corpo clínico da unidade hospitalar é composto por 44 médicos. “O Simec acompanha a situação dos profissionais da UPA-Campos que, mais uma vez, reclamam a ausência de pontualidade no pagamento dos seus salários”.

De acordo com o sindicato, no último dia 23 de setembro, a entidade foi acionada pelos médicos que atuam na unidade hospitalar, os quais denunciaram atrasos nos salários relativos ao mês de agosto. Na ocasião, o órgão mobilizou a Secretaria de Estado de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (SES-RJ), a Secretaria de Estado de Governo (SeGov), o Instituto dos Lagos Rio, Organização Social (OS) que administra a UPA-Campos, a Seccional do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj), o Ministério Público Estadual (MPE), o Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, dentre outros órgãos, solicitando a imediata regularização dos salários.

Após cobrança a efetiva do Simec, na tarde do dia 1º de outubro, os médicos da UPA-Campos receberam os devidos pagamentos referentes ao mês de agosto, segundo o sindicato.

A presidente da entidade, Dra. Maria das Graças Ferreira Rangel, salienta que a pontualidade do cronograma de pagamentos é um direito dos trabalhadores. “O pagamento pontual dos salários aos trabalhadores deve ser mantido rigorosamente por parte dos responsáveis pelos repasses financeiros da UPA. Pois, além de ser um direito, a pontualidade representa respeito e dignidade aos profissionais que, diariamente, se dedicam ao seu exercício laboral e se empenham para prestarem serviços de atenção à saúde de qualidade”, destacou a presidente do Simec.

A diretoria do Simec afirmou que está adotando as medidas cabíveis para a breve solução do caso.

O g1 entrou em contato com o Instituto dos Lagos Rio para saber o motivo do atraso e o prazo para o pagamento ser efetuado, mas não teve retorno até a última atualização desta reportagem.

O g1 também entrou em contato com a secretaria estadual de Saúde para saber se a pasta estava ciente do caso e se fez o repasse de verbas para o Instituto, mas também não teve retorno até a última atualização desta reportagem.



Fonte: G1