Marinha suspende buscas por trabalhador que desapareceu após naufrágio no ES | Espírito Santo

0
41


Parentes e amigos do trabalhador, assim como o dono da empresa responsável pelo rebocador que naufragou, continuam fazendo buscas por Eric.

Na quarta-feira (11), cerca de 10 pessoas, incluindo o comandante do rebocador, que foi resgatado em alto mar, fizeram um mapeamento do litoral na tentativa de localizar a embarcação, que também não foi encontrada até o momento.

Localizando a embarcação, eles esperam conseguir pistas sobre Eric.

“Agora a gente está em busca de um equipamento para localizar o rebocador. Todos estão ajudando nas buscas. Os pescadores já foram informados, os mergulhadores que pescam lagosta na região também. Estão todos empenhados em ajudar a gente”, disse Edson de Sousa, o dono rebocador que afundou.

Para a esposa de Eric, Rosângela Maria Rosa Barcelos Rangel, ainda há esperança de encontrá-lo.

“A gente não sabe o que aconteceu naquele dia. Mas, com tudo o que está acontecendo, eu ainda tenho esperanças. Para Deus nada é impossível”, disse ela.

Em nota, a Capitania dos Portos do Espírito Santo informou que mesmo com a suspensão das buscas, o caso continua sendo divulgado por intermédio da Estação Rádio Costeira e junto à comunidade pesqueira.

O Serviço de Busca e Salvamento da Marinha do Brasil poderá ser acionado para retomar as buscas se surgirem novas informações sobre o fato.

Um inquérito administrativo foi aberto com o propósito de apurar as causas, circunstâncias e possíveis responsabilidades pelo naufrágio.

“Concluído o inquérito e cumpridas as formalidades legais, o mesmo será encaminhado ao Tribunal Marítimo, que fará a devida distribuição e autuação e dará vista à Procuradoria Especial da Marinha para que adote as medidas previstas”, informou a Capitania.

Trabalhador desapareceu após embarcação afundar no litoral do ES

Trabalhador desapareceu após embarcação afundar no litoral do ES

De acordo com parentes de Eric, a embarcação na qual ele estava naufragou após bater em uma pedra, próximo à Ilha Escalvada, em Guarapari.

Outros dois tripulantes que também estavam na embarcação foram resgatados no dia 2 por um navio que passava pela região e encontram-se no Hospital Estadual de Urgência e Emergência (HEUE), em Vitória.

Segundo a família de Eric, o homem já era aposentado, mas em função de sua experiência, ainda era chamado para prestar serviços em embarcações.

Na manhã do dia 1º, Eric e os outros dois trabalhadores saíram de Vitória em direção ao Porto do Açu, em São João da Barra, no Norte Fluminense, onde deveriam chegar nesta segunda. Eric fez contato com a família pela última vez quando passou pela Terceira Ponte.

Edson de Souza, dono da empresa Vitória Embarcações, a qual embarcação pertence, afirmou que por volta das 18h de domingo o contato com os tripulantes foi perdido e a Capitania dos Portos precisou ser acionada.

Outros dois trabalhadores que estavam no rebocador foram resgatados no mar na madrugada de segunda, horas após o naufrágio. Mesmo debilitados e com sinais de hipotermia, eles informaram que no momento do acidente havia uma forte ventania e o mar estava agitado.

“Eles relataram que o barco bateu numa pedra e afundou. Quando afundou, meu esposo foi para o fundo, mas como ele estava com o colete, ele boiou. Quando ele boiou, porque ele sabe nadar, ele falou com os dois colegas ‘Pedro e Salomão, vocês se cuidam aí e segurem’. Aí a onda veio e levou meu esposo”, explicou Rosângela, mulher de Eric.

Vídeos: mais assistidos do G1 nos últimos 7 dias



Fonte: G1