Homem que atirou contra advogada dentro de escritório agrediu namorada no dia anterior, diz polícia | Norte Fluminense

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


De acordo com a polícia, ele agrediu violentamente a namorada na terça-feira (25). A polícia não deu mais detalhes sobre este crime, mas disse que o homem não tinha antecedentes criminais até a agressão contra a namorada.

O homem de 21 anos foi preso enquanto tentava fugir do escritório, que fica em um shopping. O ataque à advogada foi registrado por uma câmera de segurança (veja acima).

Segundo a polícia, na análise preliminar das imagens foi constatado que o homem disparou quatro vezes, sendo que três tiros atingiram a vítima. A polícia destacou que a advogada não morreu porque conseguiu se defender entrando em luta corporal com o autor e conseguiu pegar a arma.

A vítima está internada em um hospital particular da cidade. A unidade não deu informações sobre o estado de saúde dela, informando em nota que “conforme preceitua o Conselho Federal de Medicina, segue as orientações de que as informações de prontuário médico são sigilosas e pertencem ao paciente ou seus familiares”.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), emitiu nota pública sobre o caso, dizendo estar ciente sobre a tentativa de homicídio contra a advogada, que é inscrita na 12ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional do Estado do Rio Janeiro.

“(…) Considerando que, aparentemente, o crime possui relação com a atividade profissional da advogada, a OAB Campos, por meio de sua Comissão de Prerrogativas, designou o Dr. Glaidemir Resende para acompanhar as investigações que estão sendo conduzidas com brilhantismo, pelos policiais da Deam-Campos dos Goytacazes“, complementa a OAB.

Relação cliente x advogada

Segundo a polícia, o agressor era cliente da advogada. Ela cuidava de várias causas, dentre elas o inventário do pai do cliente. E, segundo as investigações, a motivação do crime seria o não pagamento dos honorários da advogada estabelecidos no contrato.

O homem foi autuado por tentativa de homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima, além de porte ilegal de arma de fogo de uso restrito.

A pena da tentativa de homicídio pode chegar a 30 anos, com redução de 1/3 a 2/3 terços. A pena do porte ilegal de arma de fogo de uso restrito é de 3 a 6 anos.

Após ser preso, o homem disse que não prestaria depoimento em sede policial, porém, na manhã desta quinta ele disse que vai depor. Até a última atualização desta reportagem, a polícia não havia divulgado o conteúdo do depoimento.

Em seguida, ele será encaminhado para a audiência de custódia.



Fonte: G1