Homem acusado de matar universitário após briga em boate de Itaocara, RJ, é condenado a 20 anos de prisão | Norte Fluminense

0
50


Um homem acusado de matar um universitário a tiros após uma briga em uma boate em Itaocara, no Noroeste Fluminense, em janeiro de 2016, foi condenado a 20 anos de prisão nesta quinta-feira (29). A vítima era Carlos Maia Júnior, de 23 anos. Ele cursava direito em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, e era estagiário no Tribunal de Justiça do Estado (TJRJ).

Carlos Maia Júnior foi morto em Itaocara — Foto: Reprodução

O júri popular do caso aconteceu três anos depois do crime, em 25 de janeiro de 2019, no 1º Tribunal de Júri do Rio de Janeiro. Na ocasião, o homem apontado como autor do crime, Fabrizio Figueiredo Sarruf, foi condenado a 16 anos pelos crimes de homicídio qualificado e porte ilegal de arma de fogo, mas tanto a defesa quanto a acusação entraram com recursos.

Os recursos foram julgados nesta quinta-feira (29), quando os desembargadores acompanharam, por unanimidade, o voto do relator, desembargador Francisco José de Asevedo, que negou o recurso da defesa do réu, de anulação do júri popular, e aceitou parcialmente o recurso da acusação, aumentando a pena de Fabrizio de 16 anos para 20 anos de reclusão.

A decisão ainda cabe recurso.

“O Tribunal agiu com razoabilidade aumentando a pena deste bárbaro crime. A manutenção da condenação e o aumento de pena traz para família da vítima a sensação de justiça”, disse o assistente de defesa, Patrick Berriel.

O G1 entrou em contato com a Defensoria Pública, responsável pela defesa de Fabrizio, e aguarda um posicionamento.

Carlos Maia Júnior, de 23 anos, foi morto a tiros na madrugada do dia 24 de janeiro de 2016 após uma briga na saída de uma boate localizada às margens da RJ-116, em Itaocara. Ele foi baleado após discutir com outro homem e morreu no local. Imagens de câmeras de segurança flagraram a confusão e o momento do crime.

Nas imagens é possível ver uma briga envolvendo pelo menos oito pessoas na porta da boate. Em determinado momento, um homem corre em direção a um carro, onde pega um objeto. Segundo a Polícia Militar, seria a arma utilizada no crime.

Esse homem volta e empurra o universitário, que revida com vários golpes. Os dois vão se afastando da cena. Quando estão do lado de fora da boate, ao lado do carro, o homem que estaria com a arma efetua os disparos. O universitário cai no chão. As outras pessoas não observam o crime e a confusão continua. Só depois de alguns minutos é que uma pessoa aparece para socorrê-lo.

Fabrizio Figueiredo Sarruf, na época com 35 anos, foi preso e levado para a 135ª DP. Segundo a PM, ele já tinha registro por porte ilegal de arma de fogo.



Fonte: G1