Corpos de gestante e bebê arrancado da barriga são enterrados em Macaé, no RJ | Região dos Lagos

0
24


Os corpos da gestante Pâmella Ferreira Andrade Martins e do bebê dela foram enterrados na manhã desta sexta-feira (19) no Cemitério Bosque das Acácias, em Macaé, no interior do Rio.

Pâmella estava grávida de oito meses e foi encontrada morta na quarta (17) dentro do banheiro de casa com diversos cortes pelo corpo e com a barriga cortada. O bebê foi arrancado da barriga dela. Uma mulher foi presa suspeita de cometer o crime depois de dar entrada em uma UPA da cidade com o bebê já morto.

Familiares e amigos de gestante e bebê mortos em Macaé se despedem das vítimas — Foto: Ravy Azevedo/Inter TV

O laudo do IML apontou que a gestante morreu por hemorragia torácica devido a uma perfuração no coração. O bebê morreu por asfixia por broncoaspiração com o líquido amniótico. A família confirmou o resultado do IML.

Por ter nascido com vida, o bebê precisou ser registrado para que o sepultamento fosse realizado. A mãe e a irmã de Pâmella registraram o menino como Ítalo.

Os corpos foram sepultados por volta das 9h, com a presença de familiares e amigos da família. O crime chocou a comunidade Nova Holanda.

Pâmella Ferreira Andrade Martins tinha 21 anos e estava grávida de 8 meses. — Foto: Arquivo pessoal

A Polícia Civil investiga e a mulher presa atuou sozinha ou se teve a ajuda de outra pessoa para cometer o crime. Quando deu entrada na UPA com a criança, ela disse que estava grávida e teve um parto espontâneo em casa. Disse ainda que, quando saiu de casa, caiu da escada com o bebê no colo.

A equipe médica desconfiou da versão contada e, após realizarem exames de ultrassonografia e Beta HCG identificaram que a mulher não estava grávida e não poderia ter estado grávida nos últimos três meses.

A polícia foi acionada e, na delegacia, a mulher disse que tinha encomendado uma criança com uma pessoa conhecida.

“Ela disse que tinha encomendado a criança mas não imaginava que fosse matar alguém pra conseguir essa criança. E achou que a intermediária ia pegar de uma pessoa que não teria condições de criar a criança”, disse o delegado Márcio Caldas, responsável pelo caso.

A família disse que Pâmella conheceu a suspeita pelas redes sociais e que mantinham uma amizade há poucos meses. À polícia, a suspeita disse que conhecia Pâmella da época da escola.

Durante revista na bolsa da suspeita, a polícia encontrou objetos sujos de sangue e uma chave. Quando chegaram na casa da vítima, os policiais identificaram que as chaves abriam o cadeado e o portão de acesso do local do crime.



Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui