Peru decreta estado de emergência e pede adiamento de jogo entre Sporting Cristal e Flamengo

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Com o toque de recolher válido até a madrugada desta terça-feira, o governo espera conter os seguidos protestos no país contra a elevação dos preços dos combustíveis e dos alimentos

JORGE RODRIGUES/AGIF – AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDOGabigol durante partida entre Flamengo e Vasco pelo Campeonato Carioca

A estreia do Flamengo na Copa Libertadores da América 2022, marcada para acontecer às 21h30 (de Brasília) desta terça-feira, 5, diante do Sporting Cristal, fora de casa, pode ser adiada pela Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol). Isto porque, na noite da última segunda-feira, o presidente do Peru, Pedro Castillo, decretou estado de emergência na capital Lima e também na cidade de El Callao. Com o toque de recolher válido até a madrugada de hoje, o governo espera conter os seguidos protestos no país contra a elevação dos preços dos combustíveis e dos alimentos.

Após o decreto presidencial, o ministro da Justiça, Félix Chero, deu entrevista indicando que a partida entre Sporting Cristal e Flamengo, no estádio Nacional de Lima, precisará ser disputada em outra data. “Terá que ser remarcada. Não esqueçamos que, em momentos de medidas excepcionais, há ações extraordinárias que devem ser adotadas. Um jogo de futebol não pode prevalecer sobre a tranquilidade do país”, disse Chero, em entrevista à rádio local Exitosa Noticias. Apesar da declaração, a Conmebol ainda não confirmou se o jogo válido pela primeira rodada irá, de fato, ser disputado em outra data.

Por causa da decisão, o São Paulo, que enfrentará o Ayacucho, também do Peru, na próxima quinta-feira, pela Copa Sul-Americana, adiou a sua ida ao país para amanhã – a ideia do Tricolor era viajar nesta terça. O toque de recolher no Peru lembra, em parte, as restrições impostas por governos nos últimos dois anos em razão da pandemia de Covid-19. Pela decisão do presidente peruano, podem ir à rua somente profissionais ligados a áreas e atividades essenciais, como saúde, fornecimento de água e eletricidade, limpeza e transporte de mercadorias.





Fonte: Jovem Pan