O que os governos pensam sobre a realização da Copa América no Brasil

0
15


Mesmo sem contato oficial da CBF, autoridades se manifestaram sobre o recebimento ou não dos jogos

DELMIRO JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO
Torneio começa no dia 11 de junho

Na manhã desta segunda-feira, 31, a Conmebol anunciou a realização da Copa América no Brasil. O torneio seria sediado pela Colômbia e Argentina, mas ambos os países declinaram por causa das manifestações populares contra o governo e a alta de casos da Covid-19, respectivamente. O torneio está marcado para começar no dia 11 de junho e encerrar no dia 10 de julho. A notícia não foi bem recebida pela população, por trabalhadores do meio esportivo e das autoridades no país, já que o Brasil ainda enfrenta uma onda forte do coronavírus e a vacinação está lenta. Confira abaixo como alguns Estados se manifestaram sobre a possibilidade de receber os jogos das dez seleções sul-americanas.

Pernambuco

Contando com a Arena Pernambuco e apontado como uma das possíveis sedes, o governo do Estado publicou uma nota oficial nesta tarde informando que pelas condições da pandemia não há possibilidade da realização do evento no Estado. Os casos aumentaram nas últimas semanas. “Apesar de não ter sido procurado oficialmente pela CBF, o governo do Estado reforça que o atual cenário epidemiológico não permite a realização de evento do porte da Copa América no território de Pernambuco“.

Amazonas

Uma das cidades mais afetadas pela pandemia no país e a origem de uma cepa do vírus, Manaus se pronunciou em nota oficial elogiando a expertise da Arena da Amazônia para eventos, como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. A Fundação Amazonas de Alto Rendimento (FAAR) também disse que não foi procurada pela CBF, mas se procurada irá debater protocolos e a possibilidade de recepção de público.

São Paulo

O governador João Doria (PSDB) disse que não será contra a realização da Copa América no Estado caso a Conmebol siga as restrições do Plano São Paulo. No entanto, o político informou que não acredita que os jogos da Copa América sejam realizados no Estado, que já recebe partidas da Copa do Brasil e Brasileirão. A ideia da Conmebol era tirar a competição do eixo Rio-SP. “A FPF [Federação Paulista de Futebol] tem cumprido rigorosamente os protocolos do Plano São Paulo. Os jogos aqui foram dentro desse protocolo, e não tivemos problema nem durante a realização e nem nos jogos finais”. “Vamos aguardar as próximas etapas, mas nossa preocupação prioritária em São Paulo é preservar vidas”, disse Doria.

Bahia

O governador Rui Costa (PT) informou em suas redes sociais que não há possibilidade de flexibilizar regras para a realização do evento. “Seguiremos o mesmo padrão em relação ao futebol. Não será permitido público. Se a exigência é ter público, aqui na Bahia não terá”. O político ainda criticou a aceitação do torneio por parte do governo federal. “O Brasil precisa de mais vacinas. Não é responsável termos mais uma competição quando nos aproximamos da marca de 500 mil mortes pela Covid-19”, escreveu.

Rio Grande do Norte

A governadora Fátima Bezerra (PT) também usou as redes sociais para comunicar que não recebeu nenhum comunicado oficial a respeito da realização da Copa América. No entanto, afirmou que não há níveis de segurança epidemiológica para a realização do evento no Estado. “Estamos numa luta diuturna para amenizar os efeitos da pandemia, que está em um momento crescente por aqui. O Governo é, portanto, contrário à realização do evento no nosso estado”, escreveu.

Rio Grande do Sul

O governo do Rio Grande do Sul emitiu uma nota dizendo que não teve contato oficial da CBF, mas classificou como ‘inoportuno’ a realização da competição no Estado. “Precisamos concentrar esforços no enfrentamento à pandemia e, nesse contexto, é inadequado que a competição ocorra aqui, memso sem público nos estádios”. No entanto, o governador Eduardo Leite (PSDB) admitiu que caso seja contato pela CBF ou Conmebol, irá levar a discussão aos outros Poderes e ‘entidades que representam a sociedade gaúcha’.

Mato Grosso

Por meio da assessoria da secretaria de Esportes, Cultura e Lazer, o Estado informou que não recebeu nenhum contato oficial da CBF ou Conmebol, e por isso, não há nada decidido. A única informação é que a logística para a realização dos jogos da primeira fase do evento no Estado seria difícil.

Rio de Janeiro: não se posicionou

Minas Gerais: não se posicionou

Brasília: não se posicionou

Paraná: não se posicionou

Goiás: não se posicionou





Fonte: Jovem Pan