MPF pede bloqueio de R$ 113 milhões dos envolvidos na tragédia da Chapecoense

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Seis anos depois do acidente aéreo, Justiça pediu bloqueios da LaMia, Bisa Seguros e resseguradora Tokio Marine

Polícia divulga imagens do resgate do acidente que vitimou a delegação da ChapecoenseReprodução / Twitter
Acidente da Chape aconteceu em 2016 e vitimou 72 pessoas

Quase seis anos após o trágico acidente aéreo da Chapecoense, muitas famílias ainda lutam para receber indenizações. O caso ganhou um novo capítulo em que o Ministério Público Federal (MPF) solicitou à Justiça bloqueio de R$ 113,6 milhões de três empresas: a companhia aérea LaMia, a Bisa Seguros e a resseguradora Tokio Marine. Na última segunda-feira, 20, a 2ª Vara Federal de Chapecó intimou as três empresas a apresentarem provas de sua inocência e o prazo é de 15 dias. Nesta semana, a Justiça rejeitou argumentos das três empresas, que, por terem sedes em outros países, não consideram válidas as acusações feitas no Brasil. O MPF, por outro lado, considera os argumentos das famílias óbvios e não vê motivos para o não pagamento das indenizações. Se o primeiro pedido de bloqueio for negado, há um segundo pedido com valor menor: R$ 63,7 milhões. A Tokio Marine organizou o “Fundo de Assistência Humanitária” para indenizar as famílias vítimas. O objetivo era pagar para cada uma delas 225 mil dólares (R$ 1,18 milhão), valor considerado baixo pelo MPF. Algumas famílias aceitaram, mas tiveram que abrir mão de todos os processos como condição para o acordo.

Caso o bloqueio seja autorizado, essas famílias também serão beneficiadas. O Senado Federal também segue com as investigações para apurar as causas da tragédia, os responsáveis e o atraso das indenizações. Uma reunião estava marcada para a última quarta-feira, mas foi adiada por conta da ausência da resseguradora Tokio Marine e da corretora de seguros AON, da Inglaterra. A CPI estava prevista para se encerrar em maio, mas foi adiada para 11 de julho, justamente para ouvir as seguradoras. No fim de maio, o Senado divulgou relatório e apontou LaMia, Bisa Seguros, Tokio Marine e Aon UK e Grupo Estratégica (antiga Aon Bolívia) como as cinco responsáveis pelas indenizações.

*Com informações do Estadão Conteúdo



Fonte: Jovem Pan