Juca Kfouri: Este Corinthians só dá alegria – 27/08/2023 – Juca Kfouri


Fidelino mora em Itaquera e tem sangue preto e branco desde que nasceu.

No domingo (27) acordou cedo e tomou o ônibus para Santos apesar do frio e da chuva.

Pegou sua camisa branca com um remendo preto para tapar o distintivo e rumou ao litoral com o destino da Vila Belmiro.

Estava de péssimo humor porque na noite anterior seu time havia só empatado com o ameaçado Goiás e perdido a chance de ficar mais longe da zona do rebaixamento, com atuação horrorosa.

Viajou com a esperança de ver o time corintiano que dá gosto.

De lá voltou todo pimpão, sorriso aberto de orelha a orelha.

Na casa do Santos, o 3 a 0 na partida de ida das semifinais do Campeonato Brasileiro, praticamente classificou a equipe para as finais. Nem pensar em perder a vaga em Parque São Jorge, no dia 2/9.

Bem que ele tinha ficado na dúvida se arriscaria a ida a Santos porque o campeonato havia ficado paralisado um tempão por causa da Copa do Mundo e era possível a perda do ritmo do grupo que busca o tetracampeonato seguido, o quinto título desde 2018. Quem sabe não seria melhor ficar em casa e ver o Manchester City, cujo futebol ele aprecia?

Mas como o time perdeu Gündogan e Mahrez, De Bruyne está fora até o fim do ano e até Pep Guardiola se recupera de cirurgia, decidiu-se pela Via Anchieta.

É que Fidelino tem orgulho do time que se comporta muito bem dentro e fora de campo, pela atitude corajosa e cidadã em defesa dos direitos da mulher.

De fato, o jogo acabou mais agressivo do que normalmente, mas as Brabas foram de eficácia invejável, ao estabelecerem o placar nos primeiros 36 minutos.

Justo, reconheceu que as Sereias sofreram resultado desproporcional ao andamento da decisão, tantos gols desperdiçaram, além de duas bolas mandadas nas traves corintianas. Quem não faz, toma, ponderou, agradecido pelos dois gols da artilheira Jheniffer e pelo presente da zagueira Bia Menezes para Vic Albuquerque fazer o 2 a 0.

Ao voltar para a zona leste paulistana, Fidelino tinha uma preocupação e uma certeza: como juntar dinheiro para ir à Fonte Luminosa, em Araraquara, no dia 7 de setembro, para ver Corinthians e Ferroviária, que ganhou como visitante do São Paulo, por 3 a 1, no primeiro jogo da outra semifinal, era a preocupação; a certeza estava em que ver os jogos dos times brasileiros dá mais prazer do que os da seleção engessada pelo pragmatismo exagerado de Pia Sundhage.

Ao chegar em casa procurou o vizinho que tinha um gato para ver TV fechada e se informou sobre o jogo do City, fora de Manchester, contra o Sheffield United.

Ficou surpreso ao saber que Haaland havia perdido pênalti quando o jogo ainda estava 0 a 0, alegre com o 1 a 0 feito pelo norueguês, preocupado com o empate, aos 85 minutos, no único chute dado pelos anfitriões e aliviado com o gol de Rodri, três minutos depois: 2 a 1.

Em três rodadas do Campeonato Inglês só o City está 100%.

Até parece as Brabas.

COCORICÓ

Que os 4Erros que comandam o Atlético Mineiro reivindiquem o que quer seja para ridiculizar a história gloriosa do Galo faz parte do roteiro patético, ou galético.

Que a CBF aceite um torneio qualquer como equivalente ao principal campeonato do Brasil é de cair o queixo.

Com o que a inauguração do Terreirão do Galo, como batizado pelo jornalista atleticano Fred Melo Paiva, ficou em segundo plano.


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.



Folha de S.Paulo