Em primeira entrevista após prisão, Daniel Alves alega inocência e diz que ‘perdoa’ vítima

Brasileiro completou cinco meses de detenção e decidiu dar sua versão sobre o episódio

NELSON ALMEIDA / AFPDaniel Alves durante treinamento na seleção brasileira
Daniel Alves durante treinamento na seleção brasileira

Após completar cinco meses de cárcere, Daniel Alves decidiu conceder sua primeira entrevista e falar sobre o caso nesta quarta-feira, 21. Em conversa com jornalistas do jornal “La Vanguardia”, o lateral direito negou ter estuprado e agredido uma jovem de 23 anos, na boate Sutton, na Catalunha – o crime teria ocorrido no final do ano passado. Apesar de alegar que a relação com a espanhola foi consensual, o jogador afirmou que “perdoa” a vítima. “Eu a perdoo. Ainda não sei porque ela (a suposta vítima) fez tudo isso, mas a perdoo. E queria pedir desculpa à única pessoa a quem tenho que pedir desculpa, que é a minha mulher, Joana Sanz. A mulher com quem me casei há oito anos, ainda sou casado e espero viver com ela por toda a minha vida”, declarou o atleta com longa passagem pela seleção brasileira, que está cumprindo prisão preventiva.

Detido desde 20 de janeiro no Centro Penitenciário Brians II, Daniel Alves deu a sua versão sobre o episódio. “Quando a mulher com quem tenho um problema sai do banheiro atrás de mim, fico um pouco na minha mesa. Ao sair, soube pelas imagens que passei perto de onde a mulher estava chorando. Eu não a vi. Se a tivesse visto chorar, eu teria parado para perguntar o que estava acontecendo. Naquele momento, se algum responsável pela discoteca me pedisse para esperar porque a jovem alegava que eu a teria agredido sexualmente, não iria para casa. Na mesma noite apareceria em uma delegacia para esclarecer”, declarou o atleta de 40 anos.

Os advogados de Daniel Alves já tentaram tirá-lo da detenção com três pedidos, mas todos foram negados pela Justiça da Espanha, que alega “risco de fuga” do país. O atleta, porém, afirma que tem empreendimentos na Espanha e diz colaborar com as investigações. A expectativa é que ele seja julgado em outubro deste ano. “Resolvi dar esta entrevista, a minha primeira desde que estou aqui, para que as pessoas saibam o que penso. Que conheçam a história pelo que vivi naquela manhã naquele banheiro. Até agora, uma história muito assustadora de medo e terror foi contada, que não tem nada a ver com o que aconteceu, nem com o que eu fiz. Tudo o que aconteceu e não aconteceu lá dentro só ela e eu sabemos”, acrescentou Daniel Alves.

Relembre o caso

Daniel Alves é acusado de ter abusado e violentado uma jovem de 23 anos, no dia 30 de dezembro do ano passado, na boate Sutton, na Catalunha. No mês seguinte, a mãe de Joana Sanz, sua esposa, veio a óbito, vítima de um câncer de útero. O jogador brasileiro, inclusive, foi preso na Espanha após comparecer ao velório de sua sogra, no dia 20 de janeiro. Além do depoimento, a mulher que acusa o atleta conta com vídeos de câmeras de segurança do local e exames de corpo de delito para provar o crime — o sêmen do brasileiro foi encontrado no local. O ex-ala de Barcelona, Sevilla, PSG, Juventus e São Paulo, por sua vez, mudou de versões várias vezes sobre o ocorrido. As contradições apresentadas por Daniel Alves em seu depoimento foram decisivas para a ordem de prisão preventiva. Posteriormente, o ala comentou que alterou seu relato para preservar seu casamento com Joana Sainz. Após a repercussão do caso, o atleta viu a Justiça da Espanha recusar três  pedidos de liberdade apresentados por sua defesa.



Fonte: Jovem Pan