Em estreia de Lampard como técnico, Chelsea perde para o Wolverhampton e amplia sequência ruim

No Campeonato Inglês, time ocupa apenas a 11ª colocação, com 39 pontos

DARREN STAPLES/AFPWolverhampton x Chelsea
O zagueiro português do Wolverhampton, Tote Gomes, disputa com o meio-campista inglês Raheem Sterling, do Chelsea

Não adiantou trocar de treinador. Contratado como interino até o final da atual temporada, após a demissão de Graham Potter, o ídolo inglês Frank Lampard iniciou sua segunda passagem como treinador do Chelsea com uma derrota por 1 a 0 para o Wolverhampton neste sábado, 8. O resultado do duelo disputado no Molineux Stadium, pela 30ª rodada do Campeonato Inglês, marcou a sétima partida sem vitória do time londrino. Nos jogos anteriores ao compromisso deste final de semana, o Chelsea perdeu para o Aston Villa e empatou com Everton e Liverpool. Em momento ruim, ocupa apenas a 11ª colocação, com 39 pontos, e dificilmente conseguirá uma vaga em algum torneio europeu da próxima temporada via liga nacional. Tem, contudo, a possibilidade de ser campeão da Liga dos Campeões, ainda que seja difícil. Na próxima quarta-feira, entrará como azarão em duelo contra o Real Madrid no primeiro jogo das quartas de final.

No Molineux Stadium, o Chelsea entrou em campo com a esperança de que a troca de comando trouxesse alguma novidade positiva ao time, mas o primeiro tempo foi de uma atuação bastante limitada. Lampard apostou em um trio ofensivo formado por Sterling, Havertz e João Félix, opção que não rendeu os melhores frutos para a equipe londrina, presa a um jogo de pouca criatividade. Embora também não tenha sido nenhum primor em suas jogadas no campo de ataque, o Wolverhampton, escalado com os brasileiros João Gomes, Matheus Cunha e Diego Costa, teve repertório para encontrar o caminho do gol. Aos 31 minutos, Podence acertou um lindo lançamento de trivela para dentro da área e viu a bola ser desviada por Koulibaly no meio do caminho. Isso não impediu que ela chegasse aos pés do luso-brasileiro Matheus Nunes, que deixou pingar e acertou um lindo chute no ar para marcar um golaço. O Chelsea pouco fez em termos de reação até o intervalo e, ao voltar para o segundo tempo, mostrou um pouco mais de disposição. O rendimento melhorou e o volume ofensivo aumento, mas não o suficiente. A ineficiência no ataque, que se fez presente durante toda a temporada, não à toa o time londrino tem apenas 29 gols na liga nacional, foi novamente uma grande inimiga e impediu qualquer reação.

*Com informações do Estadão Conteúdo



Fonte: Jovem Pan