Diretoria do Atlético-MG banca Antonio Mohamed no cargo após pressão da torcida 

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


‘Não podemos ser soberbos em achar que vamos ganhar tudo’, disparou o diretor executivo do Galo, Rodrigo Caetano

DIOGO REIS/AGIF – AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDOAntonio Mohamed durante partida do Atlético-MG pelo Campeonato Brasileiro
Antonio Mohamed durante partida do Atlético-MG pelo Campeonato Brasileiro

Parte da torcida do Atlético-MG iniciou uma campanha nas redes sociais para pedir a demissão de Antonio “Turco” Mohamed”, na noite da última quarta-feira, 11, após o 1 a 1 com o Red Bull Bragantino, pelo Campeonato Brasileiro. A pressão sobre o argentino aumentou, principalmente, com os resultados negativos do Galo – já são quatro partidas seguidas sem vitória, incluindo três empates e uma derrota. Apesar disso, a diretoria do time atleticano tratou de refutar a hipótese de trocar de comando neste momento, bancando o técnico de maneira oficial.

“As críticas ao Antonio Mohamed acontecem por causa do ano passado (conquistou o Mineiro, a Copa do Brasil e o Brasileirão). Isso não pode nos influenciar de acharmos que precisamos demitir o técnico. Não podemos ser soberbos em achar que vamos ganhar tudo. Não sejamos como outras equipes”, disparou Rodrigo Caetano, diretor executivo, em entrevista à Galo TV. “Queria dizer para a massa do Galo que toda a movimentação nas redes sociais não vai interferir aqui dentro. Temos total confiança no trabalho que vem sendo feito. Respeitamos as opiniões, mas estamos blindados”, garantiu o dirigente.

Rodrigo Caetano, além disso, declarou que o clube não investirá no meio do ano por causa da situação financeira delicada e voltou a reforçar a confiança em Turco Mohamed, a quem teceu elogios. “O Antonio Mohamed passou rapidamente a gostar do Galo e do ambiente. Ele disse que em mais de 30 anos de carreira nunca sentiu um ambiente tão favorável e com compromisso dos atletas. E detalhe importante, ele está sempre aberto ao diálogo”. O treinador, por sua vez, garantiu que a pressão não o afeta, mostrou tranquilidade pelo apoio da diretoria e também por ver um crescimento no desempenho do time apesar da sequência sem vitórias. “Temos que melhorar, mas não estou preocupado, pois estamos muito unidos. Estou muito comprometido com o Atlético e muito tranquilo, porque tenho respaldo da diretoria e dos jogadores”, avaliou.





Fonte: Jovem Pan