De 2016 para cá, seleção feminina passou por grande mudança – 12/07/2021 – Renata Mendonça

0
13


​Em menos de dez dias, a seleção brasileira feminina fará sua estreia nos Jogos Olímpicos de Tóquio. São cinco anos desde a última Olimpíada e dois desde a última Copa do Mundo. Pode não parecer, mas, de lá pra cá, muita coisa mudou.

Vão dizer que foi pouco se pensarmos no número de jogadoras repetidas. Das 22 convocadas, 14 estiveram na Rio-2016 (63%). E a porcentagem se repete se consideramos as convocadas para a Copa do Mundo de 2019.

Mas houve uma mudança muito significativa nos últimos anos. Na Olimpíada do Rio, uma foto da comissão técnica da seleção feminina chamava a atenção. Entre os nove integrantes que posaram para o registro, todos eram homens. Não havia nem sequer uma mulher entre os responsáveis por gerir e comandar a seleção das mulheres.

Eu poderia pedir para você imaginar o tamanho da repercussão que isso teria se acontecesse com a seleção masculina. Mas não dá para pedir que imaginem o impossível. Esse cenário jamais aconteceria no futebol dos homens.

Em 2016, era normal ver só homens gerindo mulheres –tão normal que passava despercebido.

Costumo dizer que o primeiro passo para resolver um problema é identificá-lo. Parece óbvio, mas, ao longo da história, nós nos acostumamos a aceitar o inaceitável. Convivemos com o racismo, o machismo e a homofobia como se fossem motivo de piada, não de revolução. E aí, quando finalmente começamos a falar sobre isso, reagem dizendo que “o mundo está ficando chato”. Se está ficando só agora para você, que bom. Para a maioria da sociedade brasileira (51% mulheres, 54% negros), já era havia muito tempo.

Mas, voltando ao assunto, quem primeiro identificou problema naquela comissão técnica de uma seleção feminina formada exclusivamente por homens foi a própria Fifa. Lógico, não da cabeça dela. O mundo passou a discutir nos últimos anos a participação das mulheres no esporte.

Para 2019, na Copa do Mundo, a coisa mudou. Forçadamente, diga-se. A Fifa obrigava as seleções a levar ao menos uma mulher na comissão técnica e uma mulher na comissão médica nas suas competições oficiais. O Brasil obedeceu exatamente a cota: levou uma fisioterapeuta e uma auxiliar técnica numa comissão de 11 homens.

Após a eliminação do Brasil na Copa do Mundo mais vista da história, a pressão aumentou por mudanças no comando da seleção feminina. Na sociedade brasileira de 2019, começava a não fazer sentido 80% de uma comissão técnica da seleção feminina ser formada por homens, com as mulheres apenas preenchendo a cota.

Foi nesse cenário que a técnica bicampeã olímpica, Pia Sundhage, foi contratada. E, logo na chegada dela ao Brasil, a sueca estranhou que o futebol feminino por aqui fosse quase que exclusivamente comandado por homens.

“Quando cheguei à CBF, tinha apenas uma mulher [Bia Vaz, assistente técnica]. E um monte de homens. Eu olhei aquilo e pensei na hora: é, temos que fazer algo sobre isso”, disse, ainda em 2019.

Pode-se dizer que a mudança já esteja sendo vista na prática. Dos 13 membros da comissão técnica que vão para Tóquio, seis são mulheres. É quase um empate técnico. E, nos cargos principais, são elas que estão no comando –com Duda Luizelli como coordenadora das seleções femininas e a própria Pia Sundhage como treinadora. Além delas, são mais duas auxiliares (Bia Vaz e Lilie Persson), uma psicóloga (Marina Gusson) e uma fisioterapeuta (Ariane Falavinia).

Grandes mudanças são feitas de pequenas revoluções diárias. Não sei se o ouro vem em Tóquio, mas pela primeira vez dá para dizer que estamos no caminho certo para ele.


LINK PRESENTE: Gostou desta coluna? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.



Fonte: Máquina do Esporte