Charles do Bronx detona comissão atlética após perder o cinturão na balança: ‘Fui roubado’

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


‘Eu poderia ter arrancado um braço que ainda não ia bater o peso’, declarou o brasileiro, agora ex-campeão dos leves no UFC

Reprodução/Twitter/@CorinthiansCharles do Bronx perdeu o cinturão do peso-levo no UFC na balança
Charles do Bronx perdeu o cinturão do peso-levo no UFC na balança

Charles Do Bronx Oliveira perdeu o cinturão do peso-leve no UFC, na semana passada, ao não bater o peso o limite de 70,3 kg para lutas válidas na categoria – o brasileiro chegou a subir na balança três vezes, mas não atingiu a pesagem. Assim, mesmo após finalizar o norte-americano Justin Gaethje no UFC 274, no último sábado, o paulista segue sem ter o título de campeão no MMA. Nesta quarta-feira, 11, Do Bronx, no entanto, disse que “foi roubado” pela comissão atlética do Arizona, estado natal de seu adversário.

“São 11 anos buscando um sonho de ser campeão do UFC e cheguei sem pisar em ninguém. Vendi as lutas do mesmo jeito de sempre. Poder conquistar o cinturão e levar para casa, para minha família, mostrar ao mundo que um garoto que veio de comunidade pode ser campeão do UFC, pode tornar a vida da família melhor. Perder o cinturão, sendo roubado. Eu fui roubado, essa é a verdade. A comissão atlética agiu errado comigo. Eu bati meu peso na quinta-feira (véspera da pesagem), então é muita coisa na cabeça. O mais triste foi ver minha família chorar. Meu pai chorar. Minha filha chorar. Meus amigos mais próximos também, porque sabem o quanto foi doloroso para me tornar campeão”, disse ao podcast “Mundo da Luta”.

“Imagina, você vai dormir no peso e acorda na sexta-feira com um turbilhão de coisas, 1kg acima. Para todo mundo, foi avisado que a balança estava errada e para mim, que era o campeão e a estrela da noite, não fui avisado pela comissão. Fiz sauna, bati manopla e fiz tudo que um campeão que está para bater o peso faz. Chegamos lá e faltava 200g ainda. Tirei cueca, botei cueca e pesava o mesmo. Voltei para o quarto e o mais importante de tudo foi manter a mente com o espírito de campeão. Não pensamos em cortar cabelo e nem nada. Acho que não tinha mais o que fazer. Eu poderia ter arrancado um braço que ainda não ia bater o peso. A comissão não queria que eu batesse. Não gosto muito de ficar falando, porque se eu falar o que tenho vontade de falar, nem sei o que dá. Mas eu poderia bater 66 kg que na balança não chegaria nos 70 kg”, continuou o brasileiro.





Fonte: Jovem Pan