CBF, Flamengo e vergonha – 28/08/2023 – Sandro Macedo


Após mais um fim de semana de Campeonato Brasileiro, o time do Flamengo teve que ouvir (de novo) de sua estimada torcida que é sem vergonha —isso para a equipe finalista da Copa do Brasil e que deve terminar no G4 do Nacional, que só tem um time brigando pelo G1, o Botafogo.

Por que então o Flamengo sempre é mais cobrado do que outros times capengas que também tem um bom investimento? Corinthians, São Paulo e Atlético Mineiro também não estariam com campanhas sem vergonha? A resposta, uai, é porque o Flamengo tem mais… mais tudo.

Flamengo tem a maior torcida, logo, é também o time mais detestado. E o Flamengo não é apenas o mais rico, ele é muito mais rico que os outros (parabéns para a diretoria anterior, que ajeitou as finanças). É o time do orçamento anual de R$ 1,1 bilhão —Palmeiras e Corinthians ficam na casa dos R$ 800 milhões.


Sem falar na deliciosa maldição de 2019, quando a torcida e o mundo descobriram que o dinheiro bem empregado traz felicidade. Com isso tudo, a cobrança é sempre maior.

É como de certa forma acontece com o Qatar Saint-Germain, time sediado em Paris. Ganhar o Francês diante de rivais financeiramente modestos não aplaca a fúria da torcida. Como eles têm mais, querem mais. Por isso celebram quando um craque badalado, mas não comprometido, vai embora, vide Neymar.


O Flamengo não tem Neymar, mas tem o dinheiro que gera uma expectativa que não condiz com a realidade… e tem o Poderoso Gabi também. Poderoso Gabi é o nome da megafesta de aniversário que o atacante promove neste meio de semana, enquanto o rival local Fluminense tenta se garantir na semifinal da Libertadores. Na fase atual, seria mais prudente só um parabéns na firma e um bolinho para os mais chegados, mas Gabi é poderoso, enfim…

O trabalho de Sampaoli é medíocre, mas o maior culpado pelo enrosco do Flamengo é a diretoria amadora.

Na Espanha, Inglaterra, Alemanha ou França, o fator monetário é o principal ponto de desequilíbrio dos campeonatos. Quem tem mais dinheiro tem mais estrutura, forma o melhor elenco e levanta o caneco. No Brasil não, graças à incompetência de quem manda no Flamengo (bom para o campeonato).

Não sei se o elenco do Flamengo é sem vergonha, mas dá para dizer que não entra no top 5 dos mais comprometidos.

Já a CBF, que não tem a torcida de ninguém, continua uma vergonha.

O presidente Ednaldo Rodrigues —que, como meu falecido pai, nasceu na baiana Vitória da Conquista— até pode ter alguma boa intenção no fundo do seu coraçãozinho, porém o mandatário parece uma criança que acabou de herdar uma fábrica de doces.

A quantidade de patacoadas da atual gestão não é pequena e passa pelo total descaso com a seleção brasileira durante meses a fio —ainda não sei como devemos chamar Fernando Diniz: interino, provisório ou transicional?


Nos últimos dias, a lista de vergonhas ganhou uma estrelinha… e o Atlético Mineiro também. De acordo com a entidade, o título do Torneio dos Campeões, disputado em 1937 durante 40 dias, tem o mesmo valor do Campeonato Brasileiro, portanto, o Atlético passa a ser tricampeão.

Depois de uma pesquisa minuciosa durante dois minutos no Google, este escriba descobriu que existiu um Torneio dos Campeões também em 1920, vencido pelo Paulistano. Então, seria o Paulistano o primeiro campeão brasileiro?

Usando a mesma lógica, pediria a todos os torcedores que investigassem qualquer título mequetrefe interestadual que o seu time porventura conquistou. Depois, faça um dossiê (é um documento de Word com uma capa bonita e dois gráficos) e envie para a CBF. Aí é só esperar e celebrar o título. Teremos muitos.

Champions com morte certa

Nesta quinta-feira (31) tem sorteio para definir os grupos da Champions League. Newcastle das Arábias está no pote 4, ou seja, Grupo da Morte Certa à vista para algum cabeça de chave não inglês.


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.



Folha de S.Paulo