Anistia Internacional exige que a Fifa pague R$ 2 milhões a trabalhadores por abusos no Catar

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Coalizão de organizações de direitos humanos pede uma reparação aos migrantes que trabalharam construindo as infraestruturas para o Mundial; 6.500 morreram

Reprodução/Twitter/@FIFAWorldCupSorteio da fase de grupos da Copa do Mundo 2022 foi realizado nesta sexta-feira, 1º de abril
Mundial masculino começa dia 21 de novembro

Uma coalizão de organizações de direitos humanos liderada pela Anistia Internacional está exigindo que a Fifa pague US$ 440 milhões (R$ 2.169 milhões, na cotação atual) para os trabalhadores migrantes que ajudaram a construir os estádios da Copa do Mundo do Catar 2022. A quantia se baseia na premiação das seleções durante o torneio. “Centenas de milhares de trabalhadores migrantes não receberam reparação adequada, incluindo compensação financeira, pelos graves abusos trabalhistas que sofreram”, diz uma carta enviada ao presidente da FIFA, Gianni Infantino. A AI informa que os trabalhadores sofrem com horas longas de trabalho e condições perigosas, além de afirmar que os abusos são “generalizados”. A carta também diz que as autoridades do Catar ‘não conseguiram investigar’ as mortes dos trabalhadores e aponta negligência do sistema de patrocínios. Um levantamento do jornal britânico The Guardian, publicado em fevereiro de 2021, apontou que 6.500 migrantes da Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh e Sri Lanka morreram durante as construções. O torneio está marcado para começar em 21 de novembro.



Fonte: Jovem Pan