Alexandre Frota conta que Gabigol tentou dar ‘carteirada’ em cassino clandestino

0
13


O deputado federal (PSDB-SP) deu mais detalhes da abordagem ao jogador em uma festa clandestina, em março deste ano, na zona sul da capital paulista

Montagem sobre fotos/Reprodução/Ananda Migliano/Estadão ConteúdoO deputado federal Alexandre Frota deu detalhes da abordagem a Gabigol em um cassino clandestino

Alexandre Frota (PSDB-SP) contou nesta terça-feira, 20, que o atacante Gabriel Barbosa, do Flamengo, ao ser flagrado em uma aglomeração em um cassino clandestino, na cidade de São Paulo, tentou dar uma “carteirada” nos agentes que estavam fechando o local – o episódio aconteceu em março deste ano. Em entrevista ao “Yahoo!”, o deputado federal, que virou símbolo no combate às festas clandestinas na capital paulista, revelou como foi abordagem ao jogador, que estava no local com mais de 150 pessoas, entre elas o cantor MC Gui. “O Gabigol, por exemplo, falou na nossa cara “ô, vocês estão atrapalhando aqui a noite, eu vou chamar o prefeito’. Eu falei ‘não é preciso você chamar ele, ele está aqui do meu lado. Gabigol, Ricardo Nunes, Ricardo Nunes, Gabigol’”, relembrou, ao mencionar o caso de 14 de março. “Ele achou que era o Bruno Covas, mas era o Ricardo Nunes”, completou.

Frota contou que a “carteirada” tornou-se comum durante as abordagens. “Justamente para evitar aquelas pessoas que usam o ‘você não sabe com quem você está falando’. Tem aquelas pessoas que falam ‘eu sou amigo do Doria, amigo do prefeito, filho do desembargador’. Isso pouco importa pra gente, não interessa. Outro dia teve um cara que se apresentou como Jorge Doria, porque queria se passar pelo primo do governador. Foi o primeiro que foi colocado na parede, de escanteio. Outro dia um rapaz saiu e falou ‘ô, Frota, eu sou sobrinho do Carlos Alberto de Nóbrega’. Eu falei: ‘Todo mundo tem um tio, por acaso o seu é famoso. Você quer que eu ligue pra ele? Eu sou amigo dele, vou ligar pra ele agora. Tenho certeza que ele não sabe que você tá aqui’”, contou o deputado.





Fonte: Jovem Pan