Abel Ferreira faz apelo à diretoria do Palmeiras e responde se deseja treinar a seleção 

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


O treinador também tratou de parabenizar Danilo, volante que foi a novidade na lista de Tite para os amistosos contra Coreia do Sul e Japão

Giuseppe Cacace / AFPAbel Ferreira orienta time durante final do Mundial de Clubes
Abel Ferreira é ídolo da torcida do Palmeiras

Abel Ferreira não economizou nos elogios ao ser perguntado sobre o meio-campista Raphael Veiga, na noite da última quarta-feira, 11, após a vitória sobre a Juazeirense, que selou a classificação do Palmeiras às oitavas de final da Copa do Brasil. Além de exaltar o jogador, que mais uma vez ficou de fora da lista de Tite, o treinador pediu para que a diretoria do Alviverde não venda o armador na próxima janela de transferências. “A mim, o que mais me impressiona, e também veem os grandes clubes da Europa, não é o que ele joga com bola, não são os pênaltis que ele marca, os dribles. Ele é um jogador completo. Quando é preciso correr atrás, ele ajuda a equipe a defender. compromisso que ele tem, o jogador robusto que ele é… A única coisa que peço é que, quando o mercado for aberto, não vendam este jogador“, disse.

Durante a entrevista coletiva, Abel Ferreira também foi perguntado se desejaria ser o substituto de Tite na seleção brasileira – o atual técnico da Canarinho já admitiu que não continuará no cargo depois da disputa da Copa do Mundo de 2022, entre novembro e dezembro deste ano. Ao contrário do compatriota Jorge Jesus, que afirmou que seria uma prazer dirigir a Amarelinha, o treinador do Palmeiras declarou que não é o momento. “Eu não sou o técnico da seleção, nem quero ser. Sou muito novo para ser técnico da seleção, tenho 43 anos. Respeito muito o trabalho do selecionador”, disse o português. “Já disse ao Veiga: Tudo no tempo de Deus”, relatou Abel, sobre a ausência do meia.

Abel Ferreira também tratou de parabenizar Danilo, volante que foi a novidade na lista de Tite para os amistosos contra Coreia do Sul e Japão. “É um jogador fora da caixa. Quando nós chegamos, começamos a apostar nele, porque apostar na formação tem a ver com isso. A velocidade da formação não é igual para todos. Lembro perfeitamente que foi quando Felipe Melo teve uma lesão contra o Vasco, e ele aproveitou a oportunidade, começando a conquistar seu espaço. Mas a oportunidade dele não é só de agora, é de treinos diários. Meu critério de escolha não tem a ver com idade, nem com se é da base ou se foi contratado. Tem a ver com o esforço diário, com exigência de treino”, afirmou.





Fonte: Jovem Pan