2019 para esquecer: Corinthians aposta as fichas em Tiago Nunes para dar fim ao ‘DNA defensivo’

0
28

Esperança de dias melhores. Esse foi o sentimento do torcedor do Corinthians no início de 2019. Depois de um término de 2018 desastroso, com o time correndo risco até de rebaixamento, a temporada seguinte começou com a volta de Fábio Carille, técnico até então campeão Brasileiro e bicampeão Paulista.

Carille chegava como “salvador da pátria” para resgatar o espírito vencedor que o time havia perdido com Jair Ventura. Contratações de peso vieram, como Mauro Boselli, Vagner Love e Ramiro, que era visto como ideal para o esquema do treinador. 

Por outro lado, o ano começou com uma baixa muito sentida para o torcedor corintiano. Romero, um dos principais ídolos da equipe à época, estava em litígio com a direção e não pode ser utilizado por todo o primeiro semestre, até o fim do contrato. Fábio Carille até que tentou, mas nunca conseguiu achar um substituto ideal para o paraguaio em seu esquema. 

Tricampeão Paulista

A temporada de 2019 sob o comando de Carille começou igual as duas anteriores: com o título do Campeonato Paulista. O treinador se tornou o primeiro na história do Timão a conquistar três estaduais seguidos. O Corinthians igualou o feito realizado em apenas outras três oportunidades; 1922/1923/1924, 1928/1929/1930 e 1937/1938/1939.

Em seu primeiro clássico após a volta, Carille manteve as tradições e conseguiu vencer o Palmeiras, jogando no Allianz Parque, por 1 a 0, gol de Danilo Avelar, pela 5ª rodada. Na 7ª, mais uma vitória em clássico. Dessa vez, na Arena em Itaquera, contra o São Paulo, por 2 a 1. Na 10ª, um jogaço contra o Santos, também em casa, que terminou em 0 a 0.

O Santos de Sampaoli viria a ser o adversário do Corinthians na semifinal. Depois de vencer a ida por 2 a 1, o Timão foi completamente massacrado e amassado pelo Peixe na volta. Porém, o placar marcou apenas 1 a 0, e a decisão foi para os pênaltis. Nas penalidades máximas, os corintianos foram mais eficientes e avançaram. 

Na grande final, o embate foi contra o São Paulo. Depois de um 0 a 0 no Morumbi, a decisão foi para Itaquera. Aí brilhou a estrela de Vagner Love. O empate em 1 a 1 se arrastava até o final, e a decisão nos pênaltis se aproximava. Porém, o atacante, aos 43 minutos do segundo tempo, marcou o gol do título. Com a conquista, Cássio se tornou o jogador com mais títulos com a camisa do Corinthians, nove, superando Marcelinho Carioca, Neco, Alessandro, Chicão e Danilo.

Mudou a “chavinha”

Quando a disputa foi para o âmbito nacional, veio o choque de realidade. O futebol apresentado pelo Corinthians no estadual até foi suficiente para vencer, mas precisaria de muito mais para repetir o título do Brasileirão de 2017. 

Nas oito primeiras rodadas do Brasileiro, antes da pausa para a Copa América, o Timão acumulou três vitórias, três empates e duas derrotas. Na Copa do Brasil, foi eliminado pelo Flamengo com duas derrotas. Já na Sul-Americana, o que parecia ser o objetivo mais fácil a se alcançar, avançou após duas vitórias em cima do Deportivo Lara, da Venezuela. 

O tempo para treinar que Carille tanto pedia chegou durante a Copa América, mas o futebol prometido não apareceu. Depois da pausa, o Corinthians continuou claudicante e em momento algum ameaçou lutar de verdade pelo título brasileiro.

Mesmo assim, foram 14 jogos seguidos de invencibilidade após o torneio de seleções. Incluindo a classificação em cima do Fluminense nas quartas de final da Copa Sul-Americana. E foi exatamente o Tricolor carioca que quebrou essa série invicta do Timão. A derrota por 1 a 0 no Maracanã, na última rodada do primeiro turno, foi o primeiro passo para a derrocada de Carille no Corinthians. 

Relação deteriorada, futebol abaixo da crítica

Na partida seguinte, contra o Independiente del Valle, em Itaquera, pelo jogo de ida da semifinal da Copa Sul-Americana, um choque de realidade. O Corinthians foi derrotado por 2 a 0 sem ver a cor da bola em seus próprios domínios. 

Ao fim da partida, Carille deu declarações para lá de polêmicas e azedou o clima dentro do vestiário alvinegro:

“Um jogo de imposição física, de ‘nego malandro’, a gente com muito menino em campo, que tem que entrar em campo para aprender. Dificuldade do Pedrinho, Mateus Vital, marcação forte, jogo de Sul-Americana. Foi o time que deu resposta após a Copa América, mas hoje as coisas não funcionaram”.

“Não temos muitas opções ofensivas e velocidades, todos garotos, Pedrinho, Vital, Janderson, todos jovens”.

“Todos nós perdemos, mas nesses momentos um time mais cascudo é sempre importante. Mas tem de botar para jogar. Sobre elenco, agradeci a diretoria que na dificuldade trouxe os reforços. Estou muito satisfeito com o grupo”.

Na partida de volta, o 2 a 2 sagrou a eliminação do Corinthians da Copa Sul-Americana.

De mal a pior

Sem chances de título e com o caldo já entornado com o elenco, Carille aguentou apenas mais dez jogos no comando do Corinthians. Vitórias contra Vasco e Chapecoense por 1 a 0 e oito jogos seguidos sem triunfo. A última derrota foi o sonoro 4 a 1 para o Flamengo, no Maracanã, que culminou com a demissão do treinador.

Possivelmente já prevendo a demissão, na semana anterior à derrota, Carille havia dado mais uma coletiva desastrosa questionando e ironizando a dívida do Corinthians. 

O Flamengo goleou o Corinthians no Maracanã

“Graças a Deus, hoje não me preocupo tanto com a parte financeira, minha vida mudou muito de 2017 para cá. Esses dias o Andrés falou do valor da dívida do Corinthians, quem deve R$ 450 milhões deve R$ 470 milhões. Não é o dinheiro que vai me prender aqui. Se está o clima ruim, não é o dinheiro que vai fazer segurar. Nem se eu quiser ou se o clube quiser, parcela em 350 vezes, igual nas Casas Bahia. Minha multa é muito pouco para o problema do Corinthians”

Esse teria sido o estopim para a irritação da diretoria do Corinthians.

Vida nova

Dyego Coelho, técnico do sub-20, assumiu o time até o fim do ano com o objetivo de implementar uma nova filosofia no Corinthians. Depois de seguidos anos muito vitoriosos baseando seu futebol na defesa, era a hora de apostar no ataque.

Para a temporada de 2020, o Timão anunciou Tiago Nunes. Campeão com o Athletico Paranaense, o técnico chega com o objetivo de reformular o elenco e o futebol da equipe. 

O primeiro reforço já anunciado para de 2020 é Luan, campeão da Libertadores e “Rei da América” em 2017 pelo Grêmio. O meia-atacante chega como opção de respiro e qualidade técnica para um time praticamente estéril na última temporada

Perspectiva de dias melhores

O torcedor corintiano começa o ano de 2020 novamente apostando suas fichas no trabalho do técnico. Tiago Nunes chega praticamente como uma unanimidade ao Parque São Jorge e com a chancela de um dos melhores trabalhos da temporada passada.

Tiago Nunes terá a difícil missão de dar fim ao “DNA defensivo” do Corinthians que já está enraizado no clube desde a chegada de Mano Menezes para a disputa da Série B, em 2008. Tite aperfeiçoou, levou dois Campeonatos Brasileiros, uma Libertadores e um Mundial, e entregou para Fábio Carille, que chegou ao Corinthians ainda na “Era Mano” e foi auxiliar também do atual técnico da seleção brasileira.

O novo comandante foi contratado para renovar e colocar o Corinthians para jogar para frente — e de uma vez por todas encerrar o ciclo vitorioso, porém ultrapassado, de futebol reativo.

Chegadas e saídas

Luan é até o momento o único reforço oficializado para a próxima temporada. Além do camisa 7, Pedro Henrique e Camacho, que estavam emprestados ao Athletico Paranaense, voltam ao Timão. Michael, revelação do Campeonato Brasileiro pelo Goiás, por um momento, pareceu estar perto de Itaquera, porém, a cada dia que passa, o jovem se afasta. O colombiano Victor Cantillo, do Junior Barranquilla, também já esteve mais próximo de chegar. A informação que surgiu na Colômbia é que o Porto entrou no páreo para contratar o volante.

A lateral esquerda talvez seja o maior ponto de interrogação do Timão para a próxima temporada. Jorge, do Monaco, Sidcley, do Dínamo Kiev, e Dodo, da Sampdoria, foram especulados. O primeiro já foi descartado. O segundo, o clube ucraniano já tem proposta em mãos, mas faz jogo duro. O terceiro, cria da base corintiana, é visto com bons olhos pela direção do clube, mas pouco caminhou a negociação até o momento.

Renê Jr. e Everaldo, que passaram a maior parte do ano machucados, podem ser boas aquisições para Tiago Nunes renovar a equipe corintiana na próxima temporada. O chileno Araos volta de empréstimo e também é uma opção de um jovem promissor e com qualidade técnica que pode dar um salto na carreira com Tiago.

Do time titular de 2019, Manoel teve o empréstimo encerrado e voltou ao Cruzeiro. Júnior Urso recebeu proposta de um clube da MLS e deve ser o próximo a ter a saída oficializada.

Entre os reservas, a lista de quem pode deixar o clube é maior. Sornoza teve sondagens da LDU, mas a negociação ainda não avançou. Matheus Jesus tem sondagens do Bragantino. Clayson é visto como boa moeda de troca e pode ser envolvido em alguma negociação.

Possível Corinthians para 2020: Cássio; Fagner, Gil, Pedro Henrique e Danilo Avelar; Gabriel, Camacho (Renê Jr.) e Luan; Pedrinho, Everaldo (Matheus Vital) e Boselli.


Fonte: Jovem Pan