Whindersson Nunes é criticado após confirmar que não foi traído por Luísa Sonza: ‘Eu que terminei’

0
12


No Twitter, humorista disse não ter vistos ataques contra a ex-companheira; mais cedo, cantora afirmou que fãs ‘inventaram novela’ sobre o relacionamento

Reprodução/InstagramLuísa foi vítima de ataques por suposta traição no relacionamento com o humorista

O humorista Whindersson Nunes foi criticado depois de confirmar que não foi traído pela cantora Luísa Sonza, sua ex-mulher. Em seu perfil no Twitter, o comediante confirmou que ele decidiu terminar o relacionamento, desmentindo boatos de que a ex-companheira o teria traído com o cantor Vitão, com quem namora atualmente. Seguidores do humorista questionaram porque ele não se posicionou antes em defesa de Luísa, que foi alvo de ataques machistas por causa do término e dos boatos. Em resposta aos usuários, Whindersson afirmou que não viu nenhum ataque pois está trabalhando muito. Além disso, o humorista questionou porque ela nunca se posicionou sobre as “piadas de corno”. Por fim, Whindersson completou: “Eu tenho meus motivos pra nunca ter dito que não, e nunca ter dito que sim. Isso deveria ser só meu”.

Mais cedo, Luísa respondeu um tuíte que dizia que ela traiu Whindersson, afirmando não ter sido infiel e dizendo que as pessoas “inventaram uma novela” sobre o relacionamento da cantora e do humorista. “Eu não trai ninguém. Nunca. Eu nunca nem sequer larguei alguém, pra início de conversa. Vocês n sabem de p**** nenhuma do que realmente aconteceu. Inventaram uma novela pra essa história e eu já tô cansada de ouvir também”, escreveu Luísa. Na madrugada, a artista lamentou as mortes, citou Paulo Gustavo, criticou o presidente Jair Bolsonaro e chamou o governo de “genocida”. “Está tudo uma merda. Ver o Brasil nesse estado é desesperador. Todo dia é um esforço imenso para ter vontade de abrir um sorriso e seguir trabalhando e fazendo as coisas. Como seguir vivendo vendo tanta gente morrendo nesse país por causa do descaso de um governo genocida? Sério, eu estou com tanta raiva. Tanta tristeza. […] Todas essas mortes poderiam ter sido evitadas se tivéssemos um governo minimamente decente”, afirmou.





Fonte: Jovem Pan