Polícia fala se esfaqueamento de jornalista da Globo tem relação com sua profissão; confira

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Autoridades continuam investigando, mas primeiras conclusões apontam que uma tentativa de latrocínio

Reprodução/GloboGabriel Luiz, repórter da Globo, foi esfaqueado próximo a sua casa

O caso do jornalista Gabriel Luiz, que foi esfaqueado na última quinta-feira, 14, continua sendo investigado, porém a Polícia Civil do Distrito Federal adiantou neste sábado, 16, que, até o momento, “não há qualquer indício que traga relação do crime com a profissão do jornalista”. Gabriel é repórter da TV Globo em Brasília. Em nota enviada à Jovem Pan, a polícia informou que as primeiras conclusões “que preside os fatos apontam a prática do crime de latrocínio tentado, cometido por dois indivíduos”. Isso significa que as autoridades acreditam que o caso se trata de uma tentativa de assalto seguido de morte. “As diligências continuam e o delegado responsável pelo caso tem 30 dias para finalizar a investigação. Os presos foram recolhidos”, explicou a Polícia Civil. Os detidos são um adolescente (menor de idade) e um homem de 19 anos que morava no mesmo bairro que Gabriel. Segundo a polícia, eles não conheciam a vítima. 

O repórter está internado em um hospital particular “consciente, lúcido e bem orientado”, conforme informado pelo pai de Gabriel, Wilton Luiz, ao G1 neste sábado. O jornalista, que foi atingido no pescoço, no tórax, nos braços, nas mãos e nas pernas durante o esfaqueamento, foi socorrido pelo SAMU e encaminhado ao Hospital de Base de Brasília (HBDF), onde recebeu os primeiros socorros e passou por cirurgias para conter as hemorragias e por uma operação na mão. O ataque aconteceu em um estacionamento que fica perto da casa do repórter e foi registrado por câmeras de segurança. Em nota, a Globo lamentou o ocorrido e declarou que “dará toda ajuda necessária” à família do funcionário “para que ele se recupere plenamente”. “A Globo agradece à polícia pela pronta atuação, que levou à prisão dos dois suspeitos, aos socorristas do SAMU e dos bombeiros, que foram rápidos e eficientes nos primeiros socorros, e ao SUS, em especial à equipe médica do Hospital de Base de Brasília, que foi de extrema perícia nas cirurgias a que Gabriel se submeteu”, declarou a emissora.





Fonte: Jovem Pan