Meghan Markle revela que sofreu aborto: ‘Uma dor quase insuportável’

0
32


A ex-atriz contou detalhes de como ela e o príncipe Harry lidaram com a dolorosa situação

Reprodução/Instagram/sussexroyalMeghan Markle sofreu um aborto após dar à luz a Archie

Meghan Markle revelou que sofreu um abordo após ter Archie, seu primeiro filho. Em um artigo ao The New York Times, a ex-atriz americana, que é casada com o príncipe Harry, contou detalhes de como foi difícil lidar com a perda do bebê. Segundo o relato, foi em uma manhã de julho, ela acordou, fez suas coisas de costume e depois de trocar a fralda do seu primogênito, quando começou a sentir uma forte cãibra. “Eu me joguei no chão com ele em meus braços, cantarolando uma canção de ninar para nos manter calmos, a melodia alegre em forte contraste com a minha sensação de que algo não estava certo. Eu sabia, enquanto agarrava meu primeiro filho, que estava perdendo meu segundo filho”, declarou a Duquesa de Sussex.

Horas depois, Meghan disse que já estava na cama de um hospital segurando a mão de Harry. “Senti a umidade de sua palma e beijei seus dedos, molhados com nossas lágrimas. Olhando para as paredes brancas e frias, meus olhos ficaram vidrados. Tentei imaginar como nos curaríamos”, comentou. Na cabeça dela, começou a passar como seria possível superar a perda de um filho e o que a ajudou foi se lembrar de quando fez uma turnê pela África do Sul com a família e, exausta por intercalar a amamentação com os compromissos oficiais, ela se sentiu melhor quando um jornalista perguntou se ela estava bem. A duquesa pensou em dar uma resposta padrão ao repórter, mas decidiu ser sincera e responder: “Obrigado por perguntar. Poucas pessoas perguntaram se estou bem”.

Ela lembrou disso após sofrer um aborto. “Sentada em uma cama de hospital, vendo o coração de meu marido se partir enquanto ele tentava segurar os pedaços do meu, percebi que a única maneira de começar a curar é primeiro perguntando: ‘Você está bem?’”, declarou Meghan que decidiu compartilhar sua história porque percebeu que muitas pessoas estão sofrendo sozinhas nessa pandemia por inúmeros motivos por medo de se expor o que estão passando. “Perder um filho significa carregar uma dor quase insuportável, vivida por muitos, mas falada por poucos. Na dor de nossa perda, meu marido e eu descobrimos que em um quarto com 100 mulheres, 10 a 20 delas sofreram aborto espontâneo. No entanto, apesar da incrível semelhança dessa dor, a conversa permanece um tabu, cheia de vergonha – injustificada – e perpetuando um ciclo de luto solitário.”





Fonte: Jovem Pan