Machine Gun Kelly faz show triste. Em todos os sentidos | Lollapalooza 2022

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Machine Gun Kelly está triste. Ídolo maior da volta do emo, o hardcore emotivo muito ouvido nos anos 2000, o rapper e cantor texano de 31 anos tem voz ainda mais melódica e arrastada ao vivo. Ele anda perto da grade e sobe em uma estrutura do palco, mas tudo é feito em câmera lenta, sem empolgação. Triste.

O som pop punk melancólico dispersou parte da plateia em show no Lollapalooza, nesta sexta-feira (25). Alguns apontaram para o telão rindo do solzinho meio Teletubbies ou de um fofo desenho de disco voador. Outros cantaram.

Musicalmente, Machine entrega um pop punk básico com alguns versos de rap. A mais cantada da noite, aquela que fez muita gente fazer vídeos com celular, foi uma cover: “Misery Business”, do Paramore. Perto do Machine Gun Kelly, o Paramore é o Beatles.

Machine Gun Kelly se apresenta no Lollapalooza 2022 — Foto: Marcelo Brandt/g1

Quando ele declara uma terceira guerra mundial para os que não gostam dele, em “WWIII”, o anúncio bélico é feito como se ele estivesse discutindo as vagas de garagem na reunião de condomínio. Machine Gun Kelly está muito triste.

Não se sabe o porquê de tanta tristeza. Ele namora a Megan Fox, atriz que acompanha tudo do lado do palco, e tem uma filhinha muito graciosa (procure Casie Colson Baker no Google).

Mas o que se vê no palco é 1 metro e 92 centímetros de tristeza. “Estou aqui com meus amigos de 10, 11 anos e tudo o que sempre quis foi ser a atração principal de um festival como este… e eu estou aqui com minha amada esposa.”

Machine Gun Kelly levanta o público do Lollapalooza com seu pop punk

Lendo assim, você pode pensar que ele estava empolgado, mas nem tanto. Ele vai se soltando, é verdade. No começo, repete pelo menos meia dúzia de vezes que está lançando um álbum nesta noite.

“Mainstream Sellout” é o sexto de uma carreira que começou no rap e foi pendendo para o emo. “Emo girl”, deste disco, é uma das melhores do setlist.

Antes de “My bloody Valentine”, com refrão pra lá de memorável, ele desabafa: “Não queremos que o som seja perfeito, queremos que seja um reflexo do que somos hoje. Um dia seremos velhos e não faremos mais isso.” Não tinha como ser mais triste do que isso.

Machine Gun Kelly se apresenta no Lollapalooza 2022 — Foto: Marcelo Brandt/g1



Fonte: Pop & Arte